Tags: Negócio |

‘Italian Topless…’


O ar ‘fofinho’ proporcionado pela conjugação das formas arredondadas e de uma pintura predominantemente azul bebé, desvanece-se num ápice, mal rodamos a chave… O 1.4T-JET com 160cv desperta com um timbre agressivo e grave, mostrando que não está ali propriamente para nos levar a ‘passear’!

Inicialmente, até podemos ficar com a ideia de que a presença de uma capota eléctrica retráctil, nos vai proporcionar calmos passeios à beira mar maaaas… Não!

A suspensão desportiva é demasiado firme para essa ‘mariquice’ de rolar a 60km/h marginal fora o que, aliado a uma curtíssima distância entre eixos num carro com 3,66m de comprimento, só enfatiza o seu carácter ‘saltitão’.

Na minha opinião, a presença da capota em lona serve antes para nos oferecer um ‘upgrade’ da experiência auditiva quando decidimos explorar a fundo os 160cv deste pequeno 1.4 turbo.

Lagoa Azul, Capuchos, Malveira da Serra e visita ao Cabo da Roca, um percurso de sonho, ‘tailor made’ para este Abarth!

Aqui, de cabelos ao vento e com um nível de andamento forte, ninguém se vai queixar da dureza da suspensão, da falta de espaço nos lugares traseiros, da pequena bagageira de acesso diminuto ou da menos perfeita posição de condução… Em troca, vamos deleitar-nos com o inesgotável pulmão deste escorpião bicolor, senhor de um generoso binário desde rotações baixas, com o som característico de uma admissão sobrealimentada e com um vigor pouco comum em motores turbo a altas rotações!

Com relações de caixa curtas, torna-se viciante a forma como arranjamos sempre uma desculpa para esgotar mais uma 2ª ou uma 3ª, seja para chegarmos mais rapidamente à próxima curva, ou para simplesmente tornar a próxima ultrapassagem numa brincadeira de crianças.

A caixa de 5 velocidades é bastante precisa e o seu manuseamento só não é perfeito devido a um curso longo e um manípulo de grossura exagerada.

Possuidor de uma assinalável capacidade de travagem, é algo que podemos atrasar ao máximo e já bem dentro da curva, tirando partido da excelente capacidade do carro para rodar sobre o seu eixo, soltar a traseira e permitindo executar figuras de estilo em 3 rodas!

As vantagens desta configuração semi-cabrio, marcam pontos face a um vulgar descapotável, particularmente nestes ritmos mais animados, pois mesmo sujeita a esforços redobrados, a carroçaria não deixa transparecer um nível de vibrações superior aos de uma normal versão fechada.

A beleza e o requinte interior deste 500, são acompanhados por uma boa solidez de montagem, mesmo se aqui ou acolá encontramos um plástico menos bom. E se isso não será um problema para um cliente que compra um Fiat 500C por menos de 18.000€, no caso deste Abarth ‘595 Turismo’, os 29.000€ presentes na etiqueta do preço, diminuem drasticamente as margens de tolerância.

Apesar de contarmos com um completíssimo quadro de instrumentos TFT, ligações AUX, USB, Bluetooth, sistema de som ‘by Interscope’ e estofos em pele, não se compreende a ausência de itens já mais corriqueiros nesta fasquia de preço, tais como sensor de luz/chuva ou um simples cruise control.

No entanto, opto por remeter para o conceito; ‘As aparências iludem’ e apesar da presença do nome ‘Turismo’ na traseira deste 500C, não será esta a primeira opção para quem queira fazer longas tiradas em Auto-Estrada ou privilegie o conforto acima de tudo.

Sejamos honestos, para os adeptos da condução com um sorriso de orelha a orelha, a lista de equipamento de série nunca será o elemento diferenciador.

O Mais Lido