Investir num contexto de taxas baixas


(TRIBUNA de Keith Wade, economista-chefe, da Schroders. Comentário patrocinado pela Schroders.)

À medida que entramos em 2020, as perspetivas de lucros continuam a ser desfavoráveis, dadas as previsões das margens. Além disso, os mercados de ações já parecem estar a prever no seu preço um aumento económico. Na ausência de um impulso significativo da liquidez e de uma revalorização, é provável que a rentabilidade seja mais baixa em comparação com 2019. Outra preocupação para os investidores é o aumento da alavancagem no sector corporativo nos EUA.

Quanto à alocação de ativos, em termos gerais, estamos sobretudo positivos em ações e em crédito. Este é um reconhecimento da significativa flexibilização da política monetária que ajudou a sustentar as valorizações dos mercados e que levou a uma certa estabilização cíclica. A dívida soberana continua a oferecer pouco valor em relação às ações. Neste contexto, baixámos a nossa classificação  da dívida pública para neutra e mantivemos uma visão positiva do ouro, fundamentalmente como cobertura da carteira face a um resultado de crescimento mais débil, tal como indicam os nossos cenários de risco económico.

Melhorámos a nossa previsão de crescimento global para 2020, aumentando de 2,4% para 2,6%, e esperamos que a expansão se mantenha nesse nível em 2021. A economia mundial parece disposta a evitar uma recessão à medida que se prolongue o ciclo; não há desequilíbrios que possam desencadear uma recessão, e a atividade está a ganhar apoio graças ao alívio das tensões comerciais e da política monetária.

Mantemos a nossa previsão de uma inflação global de 2,6% para 2020, diminuindo até 2,55% em 2021. Apesar da recente subida do preço do petróleo, impulsionada por acontecimentos geopolíticos, esperamos que o impacto não seja duradouro. Pelo contrário, a nossa estimativa de estabilização do preço do petróleo implica que o mundo desenvolvido veja algumas descidas na inflação a curto prazo. A inflação também deverá manter-se contida em grande medida nas economias emergentes, começando a ascender à medida que a região começar a preencher algumas das suas lacunas de falta de produção.

Esperamos que Reserva Federal (Fed) baixe as taxas para 1,5% em abril de 2020, antes de atrasar o seguinte corte até 2021, pois o organismo permanecerá em pausa até às eleições presidenciais. No caso do Banco Central Europeu (BCE), prevemos que se leve a cabo um novo corte de taxas (até -0,6%), enquanto estimamos que no Reino Unido subam até 1% em 2021. Os bancos centrais de mercados emergentes surpreenderam com uma descida de taxas.

O que esperamos dos mercados de ações mundiais?

Em comparação com o último trimestre de 2019, estamos mais positivos em relação às ações globais. Os nossos modelos cíclicos ainda sugerem que estamos na fase de desaceleração do ciclo, o que costuma ser um desafio para as bolsas. Não obstante, a significativa flexibilização da política monetária do ano passado ajudou a manter as avaliações do mercado e levou a uma certa estabilização cíclica. Além disso, é provável que a primeira fase do acordo comercial entre os EUA e a China apoie a atividade e as margens de lucro das empresas. Por isso, no âmbito das ações, melhorámos a nossa perspetiva para o mercado norte-americano para positivo.

O acordo comercial dos EUA e da China também vai beneficiar a Europa. Além disso, os dados económicos da região continuam a sugerir uma certa estabilização, pelo que a nossa opinião sobre a Europa, excluindo o Reino Unido, melhorou nos últimos meses, o que nos deixa numa posição positiva neste mercado.

Por outro lado, apesar das nossas expectativas de crescimento para o Reino Unido em 2020 continuarem a ser débeis, melhorámos a nossa perceção das ações britânicas, passando de uma posição negativa para neutra.

Ao observar os mercados emergentes, vemos avaliações atrativas em comparação com os seus pares desenvolvidos. Também houve uma forte melhoria dos lucros, o que faz com que a nossa opinião sobre esta região seja positiva.

Para mais informação clique aqui.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido