Tags: Gestores | Negócio |

Investidores nacionais dão prioridade a depósitos sobre investimentos financeiros


Para os investidores portugueses, a principal prioridade individual na aplicação do rendimento disponível é a poupança. Essa foi uma das conclusões do Schroders Global Investor Study 2017, um estudo que contou com a participação de 22.000 investidores de 30 países e que permitiu compreender que, apesar da tendência global ser para a aplicação do investimento em mercados, em Portugal há uma preferência pelos depósitos bancários. 29% dos inquiridos revelaram esta preferência, a percentagem mais elevada entre todos os países em estudo, o que os especialistas consideram “surpreendente dadas as baixas taxas de juro em toda a Europa”.

Região  Investir em operações financeiras Depósitos bancários  Investir/Comprar propriedades Gastos de luxo  Investir em pensões Pagar dívidas
Europa  20% 16% 13% 13% 10% 9%
Ásia 32% 16% 13% 7% 9% 5%
Américas 19% 16% 12% 11% 11% 11%
Global 23% 16% 13% 11% 10% 9%
Portugal 23% 29% 14% 6% 9% 6%

Fonte: Schroders, novembro de 2017

Em termos globais, apenas 16% dos investidores dizem aplicar as suas poupanças em depósitos e 23% deverão investir em ações, obrigações e commodities, o que constitui a segunda opção mais provável para os portugueses. Em termos de retorno, o estudo da Schroders conclui que, nos próximos cinco anos, os investidores portugueses esperam obter um retorno médio anual de 9,4%, enquanto a Europa espera 8,7% e em termos globais espera-se 10,2%. Ainda que o índice global MSCI indique um retorno anual de 7,2% nos últimos 30 anos, mais de metade dos investidores portugueses (58%) esperam alcançar um retorno superior a 10% e quase 40% esperam optimistamente um mínimo de 10% por ano.

g

Esta situação leva Carla Bergareche, diretora da Schroders para Portugal e Espanha, a considerar as expectativas de retorno “irrealistas”, podendo traduzir-se numa lacuna em termos de conhecimento nesta matéria. “Essas elevadas expectativas poderão deixar alguns investidores desapontados ou resultar em que falhem os seus objetivos financeiros, como poupar para a reforma”, refere. No entanto, considera “encorajador” que 88% dos investidores globais e 91% dos investidores portugueses queiram aprofundar os seus conhecimentos sobre investimento. Em Portugal, os investidores querem aumentar esse conhecimento especificamente sobre impostos favoráveis (40%), investimentos com potencial positive (33%) e classes de ativos e o seu posicionamento numa carteira de investimentos (29%).

Em relação à atual incerteza da política e a certos eventos internacionais que podem provocar alguma instabilidade, 60% dos investidores portugueses inquiridos não quer correr mais riscos agora, enquanto 52% diz não deixar que a política e os eventos mundiais afetem os investimentos efetuados. No entanto, 51% interpreta estes acontecimentos como oportunidades de investimento.

Carla Bergareche diz ainda que a Schroders considera “encorajador que, em comparação com o ano passado, vemos investidores a alargarem o seu horizonte de investimento”, sendo que, em média, os investidores portugueses conservam os seus investimentos por 2,8 anos, mais que os 2,2 anos de 2016 e mais perto da media de 3 a 5 anos recomendada pelos especialistas experts.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido