Íñigo Escudero (Invesco): “O cliente necessita e valoriza que o ajudem em temas que vão mais além da pura gestão de ativos”


Em todas as situações negativas é preciso olhar para a sua parte positiva. Porque há sempre o lado bom das coisas. A crise do coronavírus vai permitir ver o mundo de outra forma, prestando mais atenção ao que na realidade é mais importante na vida (saúde, família, trabalho…), tal como agora nos está a fazer valorizar ainda mais os profissionais que trabalham no setor da saúde. Esta nova abordagem pode-se extrapolar a qualquer âmbito da vida, também ao da indústria da gestão de ativos, a qual “após a passagem do COVID-19 será diferente”, afirma numa entrevista com a FundsPeople Íñigo Escudero, diretor da Invesco para a Península Ibérica, América Latina, EUA Offshore e Israel. De facto, já o está a ser. Por vários motivos.

Em primeiro lugar, porque a forma de trabalhar mudou radicalmente, sobretudo no que diz respeito à forma como se contacta com o cliente. “Antes do estalar da crise do coronavírus, a maior parte da relação entre a gestora e os seus clientes era feita presencialmente, com reuniões diárias físicas, visitas de gestores ou de clientes aos centros de gestão da entidade… Tudo isto parou e este ano será difícil voltar a ser retomado. Dependerá da evolução do vírus e de se há uma vacina, mas pessoalmente penso que este tipo de eventos vai ser cancelado e a maneira de apoiar e interagir com o cliente será realizado fundamentalmente de forma telemática”, reconhece Escudero.

Segundo explica, “a parte positiva é que este salto para o mundo digital foi realizado com sucesso, mantendo também altos padrões de qualidade". Internamente, não os apanhou de surpresa. “Tivemos muita sorte em poder aprender com a experiência com o escritório de Hong Kong, onde trabalham mais de 100 profissionais. No ano passado, foi tomada a decisão de optarem pelo teletrabalho devido às dificuldades de mobilidade causadas pelas revoltas estudantis. Foi uma experiência muito importante em gerir isto à escala global, o que nos permitiu aprender com os sucessos e com os erros. Conseguimos que todos os departamentos trabalhassem rapidamente em casa e continuassem operacionais desde o primeiro minuto. No escritório de Madrid, uma semana antes do governo declarar estado de emergência, já estávamos a trabalhar remotamente".

Por sua vez, o ponto-chave esteve em poder adaptarem-se aos clientes. “Nem todos estavam preparados. Durante os primeiros dias era mais difícil poder contactar com eles, mas após a segunda semana todos estavam completamente disponíveis”. Além da forma como se contacta com o cliente, outra das coisas que também mudou foi o tipo de informação que se coloca à disposição. “Vamos mais além de falar do fundo X ou da última decisão da Fed. Fornecemos temas que os podem ajudar tanto no plano profissional como no plano pessoal, como liderança, adaptação a esta mudança, o que fazer para que afete o menos possível, o uso de ferramentas digitais, como comunicar com o cliente à distância, como melhorar a sua relação com ele… São questões que vão mais longe do que puramente a gestão de ativos. Hoje o cliente também precisa disto e valoriza-o”.

Escudero revela que na sua entidade continuam a investir em formação, algo que costumavam fazer mais presencialmente e agora de forma telemática. “O positivo é que, ao fazê-lo através de canais telemáticos, permite alcançar mais participantes. Realizamos quatro programas educacionais aos quais, no total, 1.200 pessoas se conectaram. É um número muito alto, com padrões de qualidade que, de acordo com os inscritos, foram muito semelhantes ao que outorgaram quando o fizemos presencialmente. A questão é se, após a crise do coronavírus, devemos continuar a realizar estes eventos digitalmente ou, pelo contrário, seria conveniente retornar ao formato original. A resposta pode ser encontrada num ponto de equilíbrio, fazer uma mistura dos dois.”

Mudança de paradigma: de um mundo 100% presencial para um 100% digital

Na sua opinião, as partidas destinadas a eventos presenciais vão ser reduzidas ao ficar provado que se podem fazer de igualmente bem de forma telemática. Mas não quer dizer que o digital suprimirá o presencial.

“Os clientes vão sentir-se cómodos a utilizar a tecnologia para trabalhar, mas o contacto presencial é importante. Passámos de um negócio quase 100% físico para 100% digital e o lógico é que quando isto acabe exista um equilíbrio entre ambos. O mundo não é físico nem digital, mas o que está claro é que as entidades invistam muito em tecnologia. O número de eventos será reduzido substancialmente, o que diz que representará democratizar a indústria. As gestoras mais pequenas não costumavam estar presentes em grandes eventos, dado que não podiam participar por questões de orçamento. Partilho-o, mas estas mudanças obrigam a fazer um esforço investidor forte em tecnologia num contexto no qual também existe compressão de margens e pressão regulatória. As pequenas necessitarão de um pulmão financeiro para o suportar. Ou têm escala ou será difícil para eles. Esse é o motivo de todas as fusões e aquisições que estamos a ver na indústria e onde podemos participar com a compra da Source, Oppenheimer ou Guggenheim”.

Outra coisa positiva que esta crise nos deixa é a maior capacidade do investidor ibérico para tolerar perdas. É algo com o qual a maioria dos gestores de gestoras internacionais concorda. Para Escudero, “a queda foi tão repentina que surpreendeu todos. Quando tomamos decisões de investimento, é preciso analisar muito bem os motivos em que nos baseamos. E, muitas vezes, quando chegamos a uma conclusão, o mercado já previu isso e muito mais. Nesta ocasião, a decisão, portanto, foi manter. Quem fez isso acertou. Os mercados recuperaram, embora com intensidades diferentes. Nos Estados Unidos, foi brutal. A Fed tem muito a ver com isso. Agora é hora de analisar que empresas serão as grandes vencedoras e quais não o serão”.

Outra das coisas que o mercado está a começar a prever é que as empresas tecnológicas vão sair reforçadas desta crise. Segundo o diretor da Invesco, a prova mais evidente é que o Nasdaq está em positivo no ano. “Os índices de referência que os clientes utilizam costumam ser o  EuroStoxx 50, o MSCI Emerging Markets, o Nikkei, o S&P 500... A maioria não utiliza o Nasdaq, ainda que muitos o estejam a começar a valorizar. Os clientes estão a ver como esta crise está a mudar o mundo e essas mudanças obrigam a realizar modificações nos índices que manuseiam. Porque as coisas hoje já não são iguais. As empresas tecnológicas não são as vencedoras do futuro, mas as do presente. São empresas da economia real, enormes, com uma projeção tremenda, que além disso se estão a ver beneficiadas pelos novos padrões de comportamento que o confinamento impôs”, indica.

“Antes falávamos de setores como o do consumo cíclico ou defensivo. Agora centra-se na temática do consumo. Vão acontecer mudanças radicais na forma de consumir. As pessoas continuarão a ir às lojas físicas, mas o número de pessoas que consomem online aumentou. E esta crise acelerou essa tendência. Isso é óbvio. Recebemos perguntas de clientes sobre se tínhamos fundos investidos neste tipo de empresa. Podemos investir nestas empresas por meio de um fundo listado na Nasdaq, como o nosso Invesco QQQ ETF (EQQQ ETF versão UCITS), que é o maior do mercado ou, se este produto não for atrativo para os investidores, através de um fundo de gestão ativa, como o Invesco Global Consumer Trends, que investe em empresas com perfil digital de consumidor”, explica.

Uma mensagem que subiu a outro nível

Outra das grandes tendências que Escudero atualmente nota é que os clientes estão a diversificar mais as suas carteiras, aumentando a sua exposição a ativos de fora da Europa. “Há dez anos, a mensagem era investir menos na Península Ibérica e mais na Europa. Agora esta mensagem está a ser enviada noutro nível: invista não apenas na Europa, mas mais fora da Europa, o que, em termos práticos, significa basicamente investir mais nos Estados Unidos, tanto no seu mercado de ações quanto no de obrigações. Com a Fed a baixar as taxas de juro, o custo de cobertura do dólar foi reduzido significativamente, fazendo com que os investidores reavaliassem a entrada no mercado de obrigações americanas. É claro: as quebras aumentarão, especialmente na parte de high yield, e farão isso de maneira importante, portanto, saber selecionar será o ponto-chave ”.

O facto de as obrigações se estarem a tornar num mercado atrativo é o que o leva a pensar que, neste ambiente, será essencial contar com gestores de obrigações flexíveis, “mas realmente flexíveis. Bons gestores de obrigações com veículos com uma elevada flexibilidade, como o Invesco Global Total Return Bond, estão a sair-se muito bem. Serão esses os vencedores. Estamos a ver uma tendência por parte dos nossos clientes de procurar esse tipo de produto.” Também há procura no ouro, onde o investidor está a procurar proteção para as suas carteiras. "É um ativo de refúgio que teve um bom desempenho e, desde março, recebemos entradas de 2400 milhões de euros no nosso Invesco Gold ETF, o maior do mercado”.

Antes, raramente era visto nas carteiras de investidores e agora cada vez mais. O investidor ibérico aprendeu, com base na crise, a criar carteiras mais robustas, recorrendo a todos os ativos aos quais tem acesso. E essa é outra das coisas positivas com as quais podemos ficar.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido