Tags:

Iniciativas solidárias que as gestoras internacionais puseram em marcha para lutar contra o impacto social do coronavírus


A indústria da gestão de ativos não está alheia à crise social que, muito possivelmente, causará a crise do Covid-19. Algumas entidades lançaram programas muito distintos para tentar mitigar estes efeitos. No caso das empresas independentes, a ajuda foi canalizada através das próprias gestoras. No caso das que pertencem a um grupo (como é o caso da J.P.Morgan AM, Goldman Sachs AM, BNP Paribas AM, Morgan Stanley IM, Edmond de Rothschild AM ou Eurizon) foi a entidade matriz que realizou as contribuições. A FundsPeople compilou as iniciativas concretas de gestoras independentes das quais teve conhecimento:

Amundi. A gestora francesa lançou várias iniciativas solidárias a nível local, entre as quais se incluem uma doação de um milhão de euros à Cruz Vermelha italiana e uma doação de um milhão de yuans à Fundação Hubei Charity em Hong Kong.

BlackRock. A entidade lançou uma primeira tranche de 18 milhões de dólares de financiamento, que destinou a bancos alimentares e organizações comunitárias americanas e europeias que trabalham diretamente com populações vulneráveis. As medidas de ajuda face a emergências empreendidas noutras ocasiões ensinaram-lhe que, além de fornecer alimentos, os bancos alimentares proporcionam um balão de oxigénio vital em contextos de incerteza e confusão. “Os nossos sócios deste segmento comentaram connosco que já estão a enfrentar as dificuldades devido ao menor número de voluntários e de doações de particulares, o que os obriga a repensar o seu modelo operacional em tempo real”, afirmam.

M&G Investments. A firma realizou uma doação corporativa após o apelo da Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e da Meia Lua Vermelha para apoiar as comunidades internacionais. Os fundos são alocados imediatamente aos países com necessidades mais urgentes para prestar serviços clínicos ou serviços sociais de emergência às pessoas em quarentena.

No Reino Unido, onde está a sede da gestora, a M&G é sócia e doador corporativo do National Emergencies Trust (NET) Coronavirus Appeal, que está a recolher fundos para as pessoas particularmente vulneráveis ao impacto de COVID-19. Em ambas as iniciativas, doam como empresa e correspondem todas as doações dos seus funcionários. Também estão a facilitar que os funcionários que desejam voluntariar-se podem fazê-lo com o apoio da empresa e das suas equipas.

Schroders. Através da Schroders Giving, a gestora está a apoiar a resposta de emergência redirigindo os fundos de caridade para programas em todo o mundo que estão a apoiar as pessoas mais vulneráveis afetadas pela pandemia. As suas contribuições estão a oferecer alimentos e ajuda médica, assim como a apoiar idosos, pessoas com problemas de saúde mental e crianças desfavorecidas. Além de apoiar programas locais, também estão a contribuir para o Fundo de Resposta Solidária Covid-19 da OMS e incentivaram os seus empregados a fazer doações também.

Empresas

Notícias relacionadas