Impact investing: o que é e como pode unir a filantropia à rentabilidade financeira


(Este artigo de opinião é da autoria da Golden Wealth Management. Consulte este e outros artigos no blogue da Golden Wealth Management)

Vivemos num mundo em que o impacto social das nossas decisões e atitudes está cada vez mais presente no nosso dia a dia.

Historicamente, as entidades que tinham esta preocupação como ponto de partida para os seus investimentos, eram as fundações dedicadas exclusivamente à filantropia da qual é exemplo a Bill & Melinda Gates Foundation, entre tantas outras, mas também o Banco Mundial, do qual o principal objetivo é a eliminação da pobreza, proporcionado empréstimos a países emergentes assim como financiando projetos para o desenvolvimento da iniciativa privada.

Impact Investing tem origem nesta consciencialização dos investidores em identificar segmentos de mercado, empresas, fundos de investimento, entre outros, que, além de oferecer um retorno, proporciona também um impacto real na sociedade, dando origem a um novo segmento que pretende unir a filantropia com a rentabilidade financeira.

Atualmente, também os investidores em geral, no momento da seleção dos ativos que farão parte da sua carteira, estão a considerar esta nova variável.

Um dos exemplos que já atrai muitos investidores privados é o setor das energias renováveis, com especial foco na energia eólica, solar e biomassa para produção de calor, que têm vindo a crescer de forma considerável nos últimos anos.

Outra alternativa para investir com um impacto na sociedade é através de ETFs. A State Street Global Advisors, criou em 2016 o SPDR Gender Diversity ETF, cujo objetivo é proporcionar exposição a companhias cotadas que têm um rácio superior à média de mulheres em cargos de direção assim como nos seus conselhos de administração.

Igualmente a Blackrock através do iShares MSCI Global Impact ETF, que tem como objetivo acompanhar a evolução de empresas cujas receitas derivam, maioritariamente, de produtos e serviços com o propósito de minimizar pelo menos um dos principais desafios sociais e ambientais, identificado pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

Existem também fundos cuja filosofia e política de investimento estão perfeitamente alinhadas com estes princípios. Estes possibilitam aos investidores obterem um retorno financeiro e, em simultâneo, proporcionarem micro empréstimos que permitem a pessoas carenciadas em países emergentes, desenvolverem os seus próprios negócios de forma a melhorarem a sua qualidade de vida assim como a da sua família.

É importante também referir que à luz do interesse dos investidores neste novo segmento, surgiu também a necessidade de desenvolver métodos e metodologias de seguimento do impacto a que se propõe estes investimentos. Neste mesmo contexto foi criado o GIIRS - Global Impact Investing Rating System, pela B-Lab, em parceria com a Fundação Rockefeller, a USAID, a Prudential e a Delloitte, sendo uma das metodologias aplicadas o IRIS -Impact Report and Investment Standards, com métricas de desempenho para medir resultados sociais, ambientais e financeiros.

Em conclusão, ao investir, além do impacto direto e indireto na economia, através da incorporação desta nova variável, podemos também obter uma mudança social tangível e benéfica num contexto de um mundo cada vez mais global.

Consulte este e outros artigos no blogue da Golden Wealth Management.

impact-investing-300x200

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido