Tags: Negócio |

Hiroshima’s finest…


Chama-se MRCC (Mazda Radar Cruise Control) e é graças a este sistema que sigo tranquilamente, a uma criteriosa e segura distância do veículo que segue à minha frente, não tocando em mais nada que não o belíssimo volante desta Mazda6 SW.

No ‘head-up display’ projectado diante dos meus olhos, vejo a velocidade a que sigo, ora 106km/h, ora 114km/h, ora 91km/h. É confiar e… ‘just go with the flow’!

Como se não bastasse, o sistema ‘Lane Keep Assist’ encarrega-se, de forma automática, de efectuar as necessárias correcções de volante, sempre que ‘pisamos’ o risco ou nos desviamos da nossa trajectória.

Para evitar ‘malabarismos’ ou tentativas de ‘self driving’, o sistema detecta sempre que tiramos as mãos do volante e emite um sinal sonoro, acompanhado da devida advertência visual… projectada à frente dos nossos olhos!

De dia ou de noite, estes sistemas também funcionam na perfeição, sendo que no período nocturno, desfrutamos ainda de mais um sofisticado ‘feature’ de ajuda à condução; os faróis Full LED com ‘High Beam Control’.

Na prática, o sistema gere a iluminação de forma automática, garantindo que dispomos sempre da melhor iluminação possível, gerindo as zonas de foco enquanto evita o encandeamento do trânsito que viaja em sentido contrário.

A profusão de automatismos não se fica por aqui e a lista de inovações Mazda é extensa; ‘Smart City Brake Support Forward/Reverse’, ‘Smart Brake Support’, ‘Emergency Stop Signal’, ‘Hill Launch Assist’, EBA, EBD, DSC, TRC… meu Deus!

Campo onde esta versão 2015 do Mazda 6 sofreu importantes ganhos foi ao nível dos interiores… E que interior! A única palavra que me ocorre sentado ao volante é: ‘Premium’!

Alemães, roam-se de inveja! Se num concorrente como o BMW série 3, é notório um decréscimo de qualidade nesta última geração, pelo país do Sol nascente rumou-se na direcção oposta. No plano estético também se notam claros progressos e o ‘cinzentismo’ tipicamente japonês faz parte do passado. Plásticos moles e agradáveis ao toque, convivem agora com pele de dois tons a forrar grande parte do tablier e consola central. Os comandos oferecem um toque robusto e, mais uma vez, respira-se qualidade. A montagem geral está em excelente nível e nem mesmo pelas enormes jantes de 19 polegadas presentes nesta versão, há espaço para qualquer tipo de barulhos parasitas.

O travão de mão foi substituído por um sistema eléctrico e, não só liberta espaço, como contribui para a harmonia do design a bordo.

O espaço para ocupantes é amplo e a bagageira conta com 522 litros de capacidade, extensível até 1648 litros com os bancos rebatidos.

Sentado ao volante, gostaria de ir um pouco mais ‘dentro’ do carro, pois mesmo com o banco no mínimo da altura, sinto-me demasiado alto. Os bancos eléctricos em pele são bastante confortáveis, mas oferecem pouco apoio lateral. A visibilidade é muito boa e o ‘head up display’ tem qualquer coisa de ‘Top Gun’ enquanto conduzimos!

Ritmos velozes com esta ‘6’ são o prato do dia! Os 175cv debitados pelo ultra suave 2.2D Skyactiv, são tudo menos tímidos e o binário máximo de 420Nm disponível às 2.000rpm, encontra casamento perfeito com a eficaz caixa automática de 6 velocidades, com patilhas no volante. A Mazda habituou-nos a motores diesel com um apetite voraz por rotações e nesta versão com tracção integral, as acelerações em baixa velocidade saem claramente beneficiadas, com um mínimo de perdas de tracção. O forte empurrão que se sente à mínima pressão de acelerador é contagiante e é uma alegria ver o ponteiro do conta rotações subir até perto das 5.000rpm sem a mais pequena interrupção de força!

Mesmo em regimes mais elevados, a insonorização continua em bom plano e também não há lugar a vibrações provenientes do 2.2D. Usando a caixa em modo manual, a condução processa-se de forma mais exuberante e apesar de um ‘delay’ quase desprezível no funcionamento das patilhas, é possível desfrutar de animados momentos de condução.

Um peso inferior a 1.500kg ajuda a manter a compostura em percursos mais sinuosos, não tendo registado nenhum adornar mais nefasto da carroçaria. Aqui sim, voltei a sentir falta de mais apoio lateral nos bancos… A direcção é bastante precisa, com bons níveis de feedback do trem dianteiro.

Com uma forte predisposição para uma condução mais rápida do que a média, à qual se junta a transmissão integral e uma caixa automática, o consumo médio deste ensaio não foi melhor do que 8.9 l/100. E com uma perda de 10 litros de depósito face às versões 2WD, a autonomia fica comprometida face aos seus principais concorrentes.

Nem tudo pode ser perfeito é um facto. Mas quando estacionada, atrai mais olhares e impressões positivas de que grande parte dos seus concorrentes.

Os olhos são os primeiros a comer e, no caso desta 6 SW, trata-se de um verdadeiro festim visual!

Como se não bastasse, esta versão AWD AT ‘Full Spec’ tem um preço pouco superior a 49.000€… Convido-os a dar uma volta pelos ‘configuradores’ de alguns dos seus concorrentes directos, especificarem motores e níveis de equipamento semelhantes…. E depois conversamos.

Clique aqui para mais fotos http://thecarlounge.pt/2015/09/06/ensaio-mazda-6-sw-awd-175cv-at-hiroshimas-finest/