Haverá oportunidades se o horizonte de investimento for de longo prazo


(Tribuna de Elena Villalba, diretora de Vendas para a Península Ibérica e América Latina da Mirabaud AM. Comentário patrocinado pela Mirabaud AM.)

Num momento de mercado complicado, marcado pelas fortes e generalizadas quedas registadas na bolsa, a já quase segunda descida das previsões de crescimento da economia global e a incerteza perante as medidas excecionais que estão já a começar a promulgar organismos internacionais e governos, o investidor procura refúgio em estratégias de investimento em contextos menos agitados.

Entre o momento em que se escreve esta tribuna e o momento em que for publicada, poucos dias depois, muita coisa pode mudar. Mas, até neste contexto, ou precisamente devido a este contexto, gostaríamos de destacar a proposta do fundo Mirabaud Emerging Markets Fixed Maturity 2025 em euros. O sucesso que obteve no seu lançamento levou-nos a reabri-lo a novas subscrições até 14 de abril e ainda que, reitero, o mercado esteja complicado, acreditamos que é uma estratégia a ter em conta.

Analisaremos as razões por pelas quais consideramos que investir neste veículo é uma estratégia adequada. Por um lado, os mercados emergentes continuam a crescer muito acima da média dos países desenvolvidos, circunstância que prevê que se mantenha nos próximos anos. Por isso, a tendência de descida de taxas de juro na Europa, Estados Unidos e Japão convida os investidores que queiram obter um rendimento atrativo em obrigações a longo prazo a considerarem a Dívida Emergente. Investir em Dívida Emergente deverá ser o ponto-chave em qualquer carteira de gestão de fixed income no mundo.

Outro elemento que inclina a balança para o nosso fundo é o seu horizonte temporal com vencimento fixo em 2025. No segmento de dívida onde se centra Mirabaud Emerging Markets Fixed Maturity 2025 em euros, as emissões não costumam superar os cinco anos, e os que estão acima deste vencimento procedem de emissores com uma qualidade creditícia muito elevada. O investidor não obtém uma compensação de taxa de juro com durações mais longas pelo que um vencimento a cinco nos parece um período ótimo para investir em dívida emergente com controlo de risco.

Assim, por exemplo, numa situação como a atual em que as consequências da epidemia do coronavírus vão impactar os mercados pelo menos durante o primeiro semestre do ano, o investimento com um prazo a cinco anos parece razoável para atenuar este e outros cenários adversos possíveis que possam acontecer.

A diversificação da carteira caracteriza a estratégia do fundo. A equipa de gestão da Mirabaud analisa as melhores ideias de investimento em Dívida Emergente, emitida por mais de 50 emissores corporativos e governamentais, diversificada em mais de 30 países diferentes. O fundo contempla distintos tipos de ativos de renda, investindo em obrigações corporativas e soberanas de qualidade, com uma diversificação sectorial. Este modelo de investimento permite atenuar situações decorrentes.

Por outro lado, a abordagem buy and hold do fundo oferece ao investidor, entre outras vantagens, uma maior claridade sobre a TIR estimada do investimento a vencimento e menores custos de transação. Ainda que isto não implique que não tenhamos volatilidade no preço, como no momento atual. Por este motivo, a equipa de gestão monitoriza a carteira com carácter diário e, em momentos pontuais, se for necessário, levará a cabo as mudanças oportunas para otimizar a TIR da carteira e gerir os riscos.

Por estas e outras razões, o fundo conta com uma TIR bruta acima de 4% e um cupão estimado de 4% em euros após descontar os custos de cobertura estimados. A qualidade creditícia da carteira é de BB-.

Perante a incerteza que paira sobre o mercado, a nossa proposta de investimento o Mirabaud Emerging Markets Fixed Maturity 2025 em euros mostra-se como um veículo de investimento a longo prazo a ter em conta.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido