Goldman Sachs Emerging Markets Equity Portfolio: Tirar partido das ineficiências do mercado


A entidade gestora Goldman Sachs AM, disponibilizou a seguinte informação acerca do fundo Goldman Sachs Emerging Markets Equity Portfolio, classificado com o selo Blockbuster pela Funds People:

Goldman Sachs Emerging Markets Equity Portfolio

Breve descrição do fundo

O Goldman Sachs Emerging Markets Equity Portfolio é um fundo SICAV domiciliado no Luxemburgo. O fundo procura valorização de capital a longo prazo ao investir principalmente em títulos acionistas de emissores dos Mercados Emergentes.

Principais diferenças face a produtos semelhantes no mercado

O GS Emerging Markets Equity Portfolio tem como objetivo oferecer uma forma compreensível de ganhar exposição a ações de mercados emergentes. Acreditamos que os mercados emergentes oferecem um terreno sólido para a geração de alfa, dada a ineficiência inerente que existe dentro do universo de investimento. Ao implementar consistentemente e de forma eficaz a nossa filosofia orientada para o bottom-up, acreditamos que podemos tirar partido desde ineficiência e gerar um alfa consistente e significativo em qualquer contexto de mercado para os nossos clientes.

Acreditamos que os nossos diferenciadores essenciais são estes: Pessoas, Filosofia, Processo e abordagem de construção de portfolio.

Equipa de research de alto calibre (pessoas): a nossa equipa EME inclui 30 indivíduos com experiência na indústria média de 13 anos. Cada analista de research tem responsabilidades de investigação específicas a cada setor, um profundo conhecimento do domínio e que se foca exclusivamente em ações de ME.

Presença local com uma perspetiva global (pessoas): a nossa presença no terreno em vários mercados emergentes permite-nos realizar aproximadamente 4 000 reuniões de gestão por ano, dando-nos acesso atempado a fluxos de informação e permitindo-nos cobrir bolsas menos investigadas do mercado.

Análise de valorização rigorosa (filosofia e processo): procuramos gerar alfa através da seleção de ações bottom-up, baseada numa investigação fundamental intensiva e um contexto de valorização rigorosa. Procuramos negócios de qualidade que negoceiam com descontos substanciais ao seu valor intrínseco e que pode ultrapassar de forma significativa o mercado durante um ciclo.

Portfolio all-cap ativo e altamente diferenciado (construção de portfolio): o nosso portfolio investe em todo o espetro de capitalização de mercado com uma exposição significativa a empresas de capitalização pequena e média e ações fora do benchmark, causando um portfolio diferenciado com uma elevada active share. Estes segmentos do mercado são normalmente menos investigados e, por isso, mais ineficientes, dando-lhes um forte potencial de geração de alfa.

Objetivos de investimento

Acreditamos que retornos grandes são ganhos ao longo do tempo ao investir em negócios de qualidade com desconto substancial em relação ao seu valor intrínseco. Existem dois elementos críticos à nossa filosofia de investimento: negócio e valorização. Procuramos investir em empresas com fundamentais forte ou em melhoria e fazê-lo realmente quando estão a negociar com um desconto substancial em relação ao seu valor intrínseco.

Meta do alfa: 300-500 pbs (bruto)

Meta do tracking error: 500-700 pbs

Abordagem de investimento

Procuramos gerar alfa através da seleção de ações bottom-up, baseada em pesquisa fundamental intensiva e um contexto de valorização rigorosa. Desempenhamos análise de valorização profundas para encontrar empresas que acreditamos estarem a negociar com um desconto substancial em relação ao seu valor intrínseco. O resultado da nossa pesquisa é o valor intrínseco de cada empresa e consequentemente a potencial vantagem do preço atual.

Como investidores de longo prazo, construímos modelos financeiros de propriedade detalhados em todas as ações que investimos, abrangendo demonstrações de resultados, folhas de balanços e análises de demonstrações de fluxos de caixa com uma previsão de cinco anos. O resultado dos nossos modelos financeiros é um preço alvo para cada empresa. Procuramos investir em empresas que consigam uma outperformance durante um ciclo de mercado de 5-7 anos.

No entanto, podemos sair de investimentos durante um curto período de tempo na eventualidade da vantagem potencial estreitar no contexto de outras oportunidades disponíveis noutras partes do universo.

Restrições de investimento

As posições de ações ficam normalmente entre +/- 7,5% relativamente ao benchmark.

As posições de setores ficam normalmente entre +/- 10 % relativamente ao benchmark.

As posições de países ficam normalmente entre +/- 10 % relativamente ao benchmark.

A exposição a mid e small-caps fica normalmente entre + 25-35% relativamente ao benchmark.

Benchmark e tracking error

O portfolio tem como índice de referência o MSCI Emerging Markets (EM) Index.

Esperamos que o tracking error do portfolio caia entre os 500 e os 700 pbs anualmente relativamente ao MSCI EM durante um período contínuo de cinco a sete anos.

Número de títulos e rotatividade

A 30 de abril de 2018, o número de títulos era de 140 e a percentagem de rotatividade de 56.

Política de risco

Ao nível da gestão de carteira, o risco é medido e monitorizado de várias formas.

Acreditamos que o maior risco fundamental é não saber ou compreender totalmente o risco de negócio idiossincrático de cada empresa que possuímos no portfolio. A equipa gere o risco através de uma pesquisa profunda e fundamental. o processo começa com uma análise meticulosa de demonstrações financeiras e arquivos públicos com um escrutínio adicional aplicados às notas de rodapé e possíveis alertas. Analistas de research visitam empresas, encontram-se com a administração e envolvem-se em debates profundos das operações da empresa, performance financeira e estratégia de negócios. Além disso, falamos com cada concorrente da empresa, clientes e fornecedores para compreender melhor as dinâmicas da indústria. Uma parte fundamental de todas as teses de investimento é construir um “bear case” para cada empresa que especifica os riscos inerentes ao nosso investimento nessa empresa.

Os gestores de carteiras também são responsáveis por gerir o risco ao nível do portfolio. Recebem relatórios de títulos regulares, que lhes permite  monitorizar continuamente os portfolios para determinar se os tamanhos das posições refletem adequadamente a nossa convicção de research. Embora o tracking error seja uma medida que monitorizamos, as nossas equipas de investimento normalmente, tomam decisões baseadas nos nossos processos disciplinados em vez de gerir a um tracking error específico.

Um terceiro componente da gestão de risco ao nível da gestão de portfolios é uma construção de portfolio disciplinada. Diariamente, a gestão de risco é considerada à medida que a carteira é construída. Monitorizamos continuamente as ponderações ativas da carteira relativamente ao benchmark ao nível de uma ação, indústria e setor para assegurar que as nossas ponderações ativas refletem adequadamente as nossas convicções de research. Mantemos uma carteira equilibrada com o objetivo de orientar a maioria do rico de seleção de ações em vez de outros fatores não relacionados com ações específicas bem como market timing, beta, setor e outras exposições de fatores.

A um nível mais amplo da equipa de Ações Fundamentais, melhorámos o nosso processo de construção de carteira para evitar perspetivas em relação a ações específicas que são sobrecarregadas por riscos em relação a ações não específicas. O risco de portfolio é monitorizado através de várias lentes, expondo componentes relativos a ações específicas e não específicas, complementando, assim, quebras de risco mais tradicionais ao nível do setor, indústria e ações. Temos Fundamental Equity Global Chief Risk Officer, Silverio Foresi, cuja responsabilidade é avaliar e analisar o risco ao longo das estratégias Fundamental Equity. A combinação destes dois elementos promove um debate mais robusto e granular de risco de estratégia com o objetivo de enfatizar, posteriormente, onde apropriado, as nossas perspetivas de ações em estratégias de clientes. O objetivo final é um perfil de risco/recompensa melhor: retornos maiores relativos a ações específicas com menos risco. Este processo de construção de portfolios não muda a nossa pesquisa de seleção de ações de todo: melhora as estratégias apenas porque podem ajudar a limitar riscos indesejados.

Política de liquidez

Procuramos gerir a liquidez do portfolio de acordo com: a estratégia de investimento do portfolio; requisitos de resgate de provavelmente investidores e da política de resgate do portfolio e condições de mercado macro mais vastas, no contexto da nossa obrigação e dos mecanismos disponíveis para tratar todos os investidores de forma igual.

Implementamos avaliações quantitativas (onde possível), padrões qualitativos para vários tipos de ativos ou uma combinação de ambos os padrões quantitativos e qualitativos para determinar, gerir e monitorizar riscos de liquidez.

Para executar a nossa estratégia estamos cientes da liquidez dos nossos títulos, impacto de trading, fluxos de caixa e outros fatores que impactam a liquidez do portfolio em geral e da nossa capacidade. Prestamos uma atenção especial à liquidez de uma ação quando se faz o posicionamento individual no portfolio. Procuramos normalmente, investir em ações que têm liquidez suficiente que nos permita ter uma posição significativa e liquidar, se quisermos.

Se quiser saber mais acerca do nosso quadro de liquidez ou mercados específicos, podemos marcar uma hora com o representante GSAM adequado.

Cobertura cambial

Não. Não fazemos a cobertura às nossas exposições cambiais. Acreditamos que o nosso conhecimento jaz na seleção de ações. Não consideramos que temos perceções adicionais acerca daquilo que o mercado faz para prever movimentos forex. No entanto, temos em conta a curva forward nos nossos modelos e previsões de rendimentos da empresa ao incorporar as perspetivas de consenso na divisa. Também prestamos atenção aos alertas bem como empresas com fluxos de receitas de moedas predominantemente locais que emitem dívida cambial estrangeira.

Uso de derivados

O portfolio não implementa derivativos, normalmente. Podemos, no entanto, deter futuros sobre índices, uma vez que nos permitem expor as nossas posições em liquidez ao comportamento dos mercados de equity com o objetivo de financiar novas ideias de investimento e facilitar resgates.

Empresas

Notícias relacionadas