Tags: Negócio |

Gestão ativa e controlo de risco: chaves para o sucesso da Mirabaud nos emergentes


TRIBUNA de Elena Villalba, diretora geral para Portugal, Espanha e América Latina, da Mirabaud Asset Management. Comentário patrocinado pela Mirabaud Asset Management.

Se analisarmos o contexto atual dos mercado emergentes, vemos dois aspetos especialmente relevantes. Por um lado, os rendimentos da dívida soberana são os mais elevados desde o fim da crise financeira mundial. Por outro, a saúde destas economias encontra-se num dos seus melhores momentos, e as perspetivas para o crescimento dos mercados emergentes continuam a ser resilientes, com previsões de 4,4% em 2019 e de 4,6% em 2020.

A estes fatores soma-se o facto de que nos encontramos num momento com valorizações atrativas, especialmente em high yield, e com uma dívida corporativa de países emergentes cuja taxa de incumprimento permanece abaixo da sua média histórica. Além disso, em média, a margem de crescimento nos países emergentes a respeito dos países desenvolvidos vai crescer pelo quarto ano consecutivo. Daniel Moreno, responsável pelas carteiras de dívida dos mercados emergentes da Mirabaud Asset Management, espera yields positivas, entre 5% e 10% em dólares para este mercado.

Mais de 20 anos de trajetória na gestão desta classe de ativos proporcionaram a Daniel Moreno uma sólida experiência, alcançando uma classificação de AAA e Bronze na Citywire e um robusto track record nos últimos quatro anos (rentabilidade acumulada acima dos 25,82% - janeiro 2005/fevereiro 2019-). Uma experiência de base na qual o especialista destaca que nas últimas décadas o investimento na dívida emergente teve mais sucesso, não só pelos altos retornos obtidos, mas também pela ajustada volatilidade. Para o gestor, o crescimento económico e os níveis de endividamento vão continuar a ser muito mais favoráveis do que nos países desenvolvidos. Incide, além disso, que, atualmente, uma grande parte dos países emergentes têm uma classificação de risco moderada (BBB- ou mais).

Uma das estratégias de investimento com maior sucesso de Daniel Moreno é o fundo Mirabaud Global Emerging Market Bond que, com uma duração média de 3,5 anos – quase metade da dos índices de referência – e estruturado com vencimento mensais, soluciona os problemas de volatilidade e proporciona liquidez ao investidor para aproveitar as oportunidades que surgem constantemente.

O processo de investimento liderado por Daniel Moreno neste fundo segue um modelo rigoroso de análise fundamental, tanto a nível de risco soberano como corporativo. Numa segunda fase, a equipa do gestor compara a qualidade creditícia com a avaliação do mercado através de modelos quantitativos próprios, o que lhe permite identificar exatamente que países e que obrigações especificas têm valor.

Como resultado, o fundo conseguiu alcançar os 171,30 milhões de dólares e, num ano como 2018, onde a classe sofreu um pouco mais do que o esperado, a equipa do gestor conseguiu controlar o risco eficazmente, obtendo um resultado para o fundo melhor do que o dos índices de referência e também superior aos alcançados pela concorrência. O Mirabaud Global Emerging Market Bond tem atualmente cerca de 180 posições, com um objetivo de rendimento a médio-longo prazo entre 5% e 7% em dólares e uma volatilidade média de 5%.

Novas soluções para novos contextos

Num momento complexo para as obrigações tradicionais, e consciente de que procurar rentabilidade atrativas neste nicho era uma necessidade real de mercado, Daniel Moreno criou no início do ano a estratégia Mirabaud Emerging Market Fixed Maturity 2024 Fund, um novo fundo que permite ao investidor aproveitar a vantagem do ótimo momento em que se encontra a dívida emergente.

O fundo Mirabaud Emerging Market Fixed Maturity 2024, cujo período de subscrição, que acabou no passado 30 de abril, segue um estilo total return, com investimento em obrigações sem restrições, mas com a vantagem de ter uma carteira muito diversificada e exposição a mais de 25 países. Trata-se de um veículo a vencimento com uma TIR prevista de entre 7% e 8% em dólares a cinco anos, período no qual mostra ser especialmente vantajoso, mas capaz de oferecer aos investidores liquidez diária para que, no caso de necessitarem, ou queiram mudar o seu perfil de risco, tenham sempre a opção de desfazer posições de forma ágil.

Tanto no caso do Mirabaud Global Emerging Market Bond Fund como do Mirabaud Emerging Market Fixed Maturity 2024 Fund, Daniel Moreno e a sua equipa trabalham sobre bases claras: gestão ativa sem restrições, uma exaustiva seleção de crédito e – muito importante em momentos de alta volatilidade como os atuais – a continua monitorização do risco. Não são as únicos ponto-chave, mas, na minha opinião, são as fundamentais sara o sucesso demonstrado das suas estratégias de investimento.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas