Tags: Gestores | Negócio |

George Gatch (CEO da J.P. Morgan AM): “Ser fiéis a nós mesmos permitir-nos-á continuar a crescer”


Regresso da volatilidade, inversão da curva de yields nos Estados Unidos, mercado de obrigações com uma proporção significativa de ativos com yields negativas, guerra comercial e efeitos negativos sobre o crescimento global. “Nos últimos anos, as condições de investimento mudaram drasticamente, separando-se do consenso e das expectativas dos investidores. Continuamos fiéis ao nosso foco baseado numa visão a longo prazo, orientada para o crescimento. Ser resilientes, compreender o contexto atual e centrar-nos no nosso talento para satisfazer as necessidades dos investidores é a forma como pretendemos aproveitar as oportunidades de um sector que ainda não tem margem para continuar a crescer”.

George Gatch, CEO da J.P. Morgan Asset Management, reuniu-se com a imprensa internacional em Londres para fazer o balanço da situação que a indústria atravessa e os catalisadores que identifica para que uma gestora possa continuar a crescer. A primeira prova na qual se apoia o máximo responsável da entidade para defender o seu otimismo faz referência ao estudo da PwC publicado com o título Asset Management Revolution, no qual se augura que o volume de ativos sob gestão da indústria a nível global aumentará 6% nos próximos cinco anos, alcançando um número de duplo dígito nos mercados emergentes.

am

Para que as gestoras possam aproveitar ao máximo crescimento de ativos que se espera na indústria será incontornável que estas tenham uma abordagem global, o qual é também um dos principais desafios identificados pelo CEO da J.P Morgan AM. Tal como explica, o vínculo entre o envelhecimento da população e as crescentes necessidades financeiras, principalmente em termos de planificação para a reforma, já é uma realidade no mundo desenvolvido, mas terá um alcance global nos próximos 30 anos.

rise

Mas, tal como explica Patrick Thomson, responsável máximo da J.P. Morgan AM para a EMEA, essa perspetiva global deve ser combinada com as peculiaridades de cada área geográfica. Ao observar os investidores europeus e o potencial que ainda está por explorar, Thomson sublinha que a persistência de um forte viés para ativos domésticos limita o grau de diversificação no Velho Continente. O especialista também põe em foco o elevado volume de ativos que ainda hoje, num contexto em que as taxas de juro estão em negativo, está na liquidez. “Trata-se de dois problemas que devemos resolver e que potencialmente podem gerar valor tanto para a indústria como para os investidores”, conclui.  

Empresas

Notícias relacionadas