Tags: Negócio |

GAM perde 10,8% dos seus ativos sob gestão no terceiro trimestre


O impacto do encerramento da gama ARBF (absolute return bond fund) nas contas da GAM começa a ser quantificável. Como a empresa reconhece num comunicado, no terceiro trimestre o grupo teve saídas líquidas de mais de 15.505 milhões de euros. Ou seja, pressupõe-se que perdeu cerca de 10,8% dos seus ativos sob gestão entre o final de junho e o fecho de setembro. Claro que o grosso dessa queda corresponde à liquidação dos fundos e mandatos sob a estratégia ARBF,  ou seja, cerca de 9.462 milhões.

A gestora suspendeu e encerrou durante agosto a sua gama de fundos absolute return bond fund (ARBF), após a suspensão do responsável de retorno absoluto da empresa, Tim Haywood em resposta a uma investigação interna em relação a alguns dos seus procedimentos sobre a gestão de riscos. Ao longo de setembro, a empresa entregou em duas rondas mais de 80% dos reembolsos correspondentes aos fundos de Luxemburgo liquidados.

Não significa que não haja um impacto mínimo noutros fundos da casa. Os fundos não ARBF perderam mais de 4.600 milhões de euros entre finais de junho e finais de setembro. A empresa justifica as saídas líquidas devido às difíceis condições de mercado para a indústria, mas reconhece também o impacto do caso ARBF em agosto e setembro.

O fluxo de saídas acalmou em outubro, segundo afirma o grupo. “Estão a ser tomadas medidas imediatas no curto prazo para sustentar a rentabilidade do grupo”, asseguram.

“As consequências da suspensão de um diretor de investimentos ARBF representou um claro contratempo para a GAM”, reconhece Alexander S. Friedman, CEO do grupo. “Temos um negócio estável e diversificado que continuaremos a promover. Continuaremos focados em dar os retornos de investimento que os nossos clientes esperam de nós”.

Quanto à sua rentabilidade durante o terceiro trimestre, a GAM defende que o trajeto continua a ser forte. 68% dos ativos sob gestão em fundos ultrapassaram o seu índice de referência nesse período. E a cinco anos, 54% de ativos em fundos ultrapassaram o seu benchmark.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido