Tags: Negócio |

Fundos de investimento mobiliários da Caixa Gestão de Ativos crescem 17,1% em 2019


A Caixa Gestão de Ativos fechou 2019 com um resultado líquido de 7,3 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 31% face aos 5,5 milhões do ano transato. A incentivar este resultado positivo estiveram os desempenhos favoráveis relativos ao crescimento dos fundos de investimento, tanto mobiliários como imobiliários, da gestora.

Assim, na sua totalidade, os fundos de investimento mobiliário evoluíram positivamente 17,1% em 2019, atingindo os 4,3 mil milhões de euros. Neste segmento, o destaque é atribuído aos fundos multiativos e aos fundos de ações, cujo crescimento foi de 66% e 60%, respetivamente.

2020-06-30_13_02_49-RC2019-CXA

Ainda no âmbito dos fundos de investimento mobiliário, em 2019 a Caixa GA procedeu a uma redução e simplificação da oferta de fundos, “com a fusão de fundos de ações e a eliminação de fundos alternativos que se destinavam a um nicho de mercado”. Desta forma, “para colmatar uma insuficiência na oferta, com procura crescente por parte dos clientes, foram lançados três novos fundos mobiliários PPR, próximo do final do ano, e consolidou-se a posição em 3 fundos destinados ao segmento upper afluent”, conforme se pode ler no relatório.

Este desempenho e medidas contribuíram para que a Caixa Gestão de Ativos consolidasse, ao longo ano, “a sua posição de liderança nos fundos de investimento mobiliário, com uma quota de mercado de 34%”, segundo dados da APFIPP. “Este reforço de liderança tem sido caraterizado por uma estratégia de incremento em fundos de maior valor acrescentado, fundos multiativos e fundos de ações, com maior potencial de retorno para os clientes”, esclarecem.

Também ao nível dos fundos imobiliários o cenário foi positivo, com esta tipologia de fundos a registar um incremento de 2,5% face a 2018, para o qual a contribuição do fundo Fundimo foi particularmente relevante. No final do ano, a carteira de fundos imobiliários geridos pela Caixa GA totalizava 796 milhões de euros, sendo composta por um fundo imobiliário aberto de subscrição pública e por 12 fundos fechados de subscrição particular.

2020-06-30_13_03_17-RC2019-CXA

Contudo, o negócio de gestão discricionária de carteiras e consultoria para investimentos não acompanhou esta tendência, tendo decrescido cerca de 292 milhões de euros. Para este resultado “contribuiu maioritariamente a redução dos montantes das carteiras de gestão discricionária de clientes institucionais”, indicam da parte da gestora no relatório e contas. Em oposição, o ramo da consultoria para investimentos registou um incremento superior a 640 milhões de euros (+129,2% face ao período anterior). Em dezembro de 2019 a Caixa GA liderava este segmento de mercado com uma quota de 35,3%.

2020-06-30_13_03_03-RC2019-CXA

Já este ano deu-se, segundo a APFIPP, o "levantamento parcial de um cliente institucional de grande dimensão", o que na prática, segundo a entidade gestora, representa uma reclassificação da tipologia de serviço de gestão/aconselhamento de carteiras, de forma que esses valores deixam de estar refletidos nas estatísticas de gestão discricionária. Segundo a APFIPP, a Caixa GA tinha sob gestão discricionária, 9,65 mil milhões de euros em ativos sob gestão no final de abril. 

2019, um ano para a história

O ano de 2019 representa uma página bem preenchida do “livro” da história da Caixa Gestão de Ativos. Em particular devido à alteração da denominação da casa gestora, que em setembro abandonou o nome Caixagest – Técnicas de Gestão de Fundos S.A. para passar a adotar o nome Caixa Gestão de Ativos Sociedade Gestora de Fundos de Investimento, S.A.. Além disso, como relatam no documento, “no âmbito do projeto de concentração da gestão de fundos de investimento mobiliário e imobiliários numa única sociedade, foi efetuada a fusão por incorporação da Fundger – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário S.A. na Caixa Gestão de Ativos”, em dezembro de 2019.

A Caixa Gestão de Ativos foi ainda galardoada com o prémio de “Melhor entidade gestora de fundos: Obrigações” e “Melhor entidade gestora de fundos: Global” na edição deste ano dos Morningstar Awards.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente