Tags: Negócio |

Fundos de Curto Prazo: rendibilidades de maio


Investimento em “ativos de elevada liquidez, sendo que mais de 50% dos ativos em carteira devem ter prazo de vencimento residual inferior a 12 meses”. Esta é a definição atual dada pela a Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios – APFIPP – aos fundos de Curto Prazo que anteriormente era conhecidos como fundos de tesouraria.

Nestas condições, no mercado nacional, existem dez produtos que atingiram, no mês passado, uma rendibilidade média a roçar os 0%, segundo os dados disponibilizados pela Morningstar através da sua plataforma online.

De todos os produtos que fazem parte da categoria, aquele que se destacou pela positiva foi o Banco BIC Tesouraria denominado em euros. Sob alçada da Dunas Capital, o fundo é gerido por Pedro Alves e registou, em maio, ganhos de 0,071%. Sobre o processo de escolha dos ativos que compõem a carteira do fundo, Pedro Alves – que gere o fundo juntamente com Pedro Fernandes - afirmou no final do ano de 2014 à Funds People que "a seleção de ativos numa perspetiva de curto prazo depende da aversão ao risco em cada momento, do perfil de risco-retorno a nível individual e do ‘fit’ na carteira”.

Com ganhos de 0,053% em maio vem, logo depois, o fundo Montepio Tesouraria. Gerido pela Montepio Gestão de Activos, o fundo no final de abril geria mais de 48 milhões de euros. Segundo o prospeto do produto, o fundo é “constituído por obrigações, instrumentos de mercado monetário, depósitos bancários e unidades de participação de outros Fundos de Investimento”. Além disto, o fundo tem de ter “em permanência entre 50% e 85% do seu valor líquido global investido em valores mobiliários, instrumentos do mercado monetário e depósitos bancários com prazo de vencimento residual inferior a 12 meses, não podendo os depósitos bancários exceder 50% do valor líquido global do Fundo”.

A fechar o top 3 de rendibilidade dos fundos de curto prazo surge o Popular Tesouraria que é gerido pela Popular Gestão de Activos. Em maio a sua rendibilidade foi de 0,037% como seu património, no final de abril a superar os 21,5 milhões de euros. O maior investimento em carteira é um depósito à ordem no banco popular, seguido de títulos de dívida da multinacional Coca-Cola.

Os fundos de Curto Prazo com rendibilidade positiva em maio

Cuto_Prazo_maio_16

Fonte: Morningstar

Profissionais
Empresas

O Mais Lido