Franklin Technology Fund: Tirar partido da volatilidade do setor tecnológico


A entidade gestora Franklin Templeton disponibilizou a seguinte informação sobre o fundo Franklin Templeton Investment Funds (FTIF) - Franklin Technology Fund, com os selos A de Favorito dos Analistas e B de Blockbuster, atribuídos pela Funds People. É gerido por John Scandalios

Franklin Templeton Investment Funds (FTIF) - Franklin Technology Fund

1. Breve descrição do fundo

O FTIF – Franklin Technology Fund (o “Fundo”) procura valorização de capital ao investir pelo menosdois terços dos seus ativos em títulos de ações de empresas que deverão lucrar com o desenvolvimento, progresso e uso de tecnologia, bem como serviços de comunicação e equipamento.

2. Principais diferenças face a produtos semelhantes no mercado

Acreditamos que os seguintes aspetos são diferenciadores essenciais da estratégia do Franklin Technology:

Uma vantagem distinta de research

Acreditamos que a força e amplitude de research de investimento e recursos dos Investimentos da Franklin Templeton, e grande proximidade da sua sede com o Silicon Valley, Califórnia – a localização de empresas líderes em tecnologia, universidades de investigação e empresas de capital de risco – oferece uma vantagem face a gestores que não usufruem dessa proximidade. A nossa presença local permite aos analistas um acesso fácil a notícias locais e oportunidades frequentes de conhecer cara-a-cara equipas de gestão, determinando se cumprem com os requisitos competitivos necessários para crescimento.

Equipas de research e de gestão de carteiras experientes

A equipa de investimento para a estratégia do Franklin Technology inclui nove profissionais de investimento dedicados a uma pesquisa profunda do setor tecnológico e indústrias relacionadas. John Scandalios, o gestor responsável pela estratégia, está na empresa desde 1996 e é especialista em análise de research da indústria de semicondutores.

Além disso, a equipa de investimento tem acesso à pesquisa de todo o Franklin Equity Group, uma plataforma de investimento global com 57 profissionais de investimento, o Franklin Tempelton Fixed Income Group, que contribui com perspetivas sobre divisas, riscos políticos e outros detalhes específicos a países, e a mesa de negociações global da empresa, que fornece acesso direto a mercados estrangeiros posicionados à volta do mundo.

Focado no longo-prazo

Normalmente, tiramos partidos da volatilidade excessiva das ações do setor tecnológico pela extrapolação por parte do mercado de perturbações de curto-prazo, perdurando num longo período de tempo. A nossa rotatividade da carteira anual tende a ser metade da rotatividade dos nossos peers.

Acesso ao setor tecnológico

A Franklin adota uma definição mais abrangente de “tecnologia”, englobando empresas que estão a criar, implementar ou comercializar novas tecnologias que são usadas para melhorar a produtividade ou criar novos serviços. Uma vez que a tecnologia se torna cada vez mais importante na economia global, a equipa de investimento acredita que o setor em si irá continuar a expandir para incluir uma variedade maior de empresas. Esta estratégia tem sido bem-sucedida, uma vez que a equipa tem um excelente historial de selecionar os concorrentes líderes em cada segmento do sub-setor.

Abordagem diversificada

A estratégia do Franklin Technology investe em mais de 20 sub-indústrias, implementando uma abordagem bottom-up na seleção de empresas que acreditamos ser ou que serão líderes em tecnologia de ponta e inovadores. Os analistas na Equipa de Comunicação do Franklin Technology procuram o melhor trade-off entre oportunidade de crescimento, valorização e risco de negócio e financeiro.

3. Objetivos de investimento

A estratégia do Franklin Technology procura ultrapassar o seu benchmark, o MSCI World Information Technology Index, durante um ciclo de mercado completo.

4. Abordagem de investimento

A Equipa de Comunicação do Franklin Technology, a equipa de investimento responsável por gerir a estratégia Franklin Technology, acredita que uma performance acima da média e um risco abaixo da média podem ser alcançados durante o longo-prazo através de um processo de investimento disciplinado baseado num research profundo, original e ancorado numa perspetiva de longo-prazo. O estilo de investimento é uma combinação de research bottom-up e top-down. A equipa de investimento implementa uma abordagem de seleção de ações bottom-up, enquanto também tem em conta tendências generalizadas. Os gestores começam com uma análise de alto nível de um setor em particular, identificam subsetores atrativos e depois concentram a pesquisa nesses segmentos antes de implementar uma análise bottom-up para identificar as ações mais atrativas. A estratégia oferece uma abordagem orientada para o crescimento e diversificada para investir no setor tecnológico.

5. Restrições de investimento:

a) Posição

Os tamanhos das posições variam entre os 0,5% e um máximo de 3%.

b) Geográficas

Como resultado da nossa abordagem bottom-up à seleção de ações, não existem limites definidos para alocações a países. Acreditamos que um aspeto essencial para o sucesso da estratégia Franklin Technology não é restringir-nos a nós próprios para uma região em particular. Investimos onde conseguirmos descobrir investimentos que acreditamos oferecer oportunidades de crescimento sustentáveis e favoráveis de longo-prazo baseados em critérios de crescimento, qualidade e valorização. A equipa de investimento encontrou através da sua pesquisa fundamental que muitas das melhores empresas do mundo de tecnologia estão sediadas nos Estados Unidos. Assim, a estratégia investe predominantemente em títulos de ações de empresas sediadas nos Estados Unidos.

c) Setoriais

Como resultado da nossa abordagem bottom-up à seleção de ações, não há limites definidos para as alocações de setores.

6. Benchmark and tracking error

O benchmark para o FTIF – Franklin Technology Fund é o MSCI World Information Technology Index.

A estratégia não tem targets específicos de tracking error. Como gestor de investimentos bottom-up, construímos portfolios stock-by-stock.

7. Número de títulos e rotatividade

O número de títulos do FTIF – Franklin Technology Fund no dia 30 de junho 2018 era de 87 excluindo cash e cash equivalents.

No dia 30 de junho 2018, a rotatividade anual do portfolio do FTIF – Franklin Technology Fund era de 61,67%.

8. Política de risco

A gestão de risco é tratada a dois níveis: gestão de risco do portfolio e gestão de risco a nível de empresas.

Gestão de risco do portfolio

A gestão de risco do portfolio é integrada em todos os aspetos do processo de investimento da estratégia e foca principalmente em três tipos de risco:

O risco específico de ações é tratado principalmente através de qualidade e profundidade do research da Franklin. O enfoque da equipa é em empresas que apresentam um trade-off favorável entre oportunidade de crescimento, risco de negócio e financeiro e valorização. Uma metodologia de venda disciplinada também ajuda a minimizar o risco específico de ações.

O risco de portfolio é tratado ao nível das matrizes do portfolio. Enquanto a abordagem de investimento bottom-up da equipa contribui com flexibilidade, as matrizes de portfolio fornecem estrutura para o processo de construção do portfolio e servem como controlos de risco ao nível do portfolio. Reuniões de avaliação de estratégia dos peers asseguram que cada portfolio reflete as melhores práticas de investimento da Franklin. Além disso, todos os gestores de portfolio trabalham com o Grupo de Gestão de Risco de Investimento para analisar o risco de portfolio, tracking error e atribuição de performance.

O risco operacional é diminuído pela separação de grandes cargos de investimento e relacionados com investimento. Um sistema vasto de 'checks and balances' – um que envolve grupos controlados distintos e independentes tais como gestão de portfolio, trading, liquidações, cumprimento e comissões de supervisão – assegura uma adesão rigorosa a todas as matrizes e restrições de investimento.

Gestão de risco a nível de empresas

A gestão de risco a nível de empresas é realizada pelo Grupo de Gestão de Risco de Investimento, que analisa os componentes de tracking error dentro do portfolio. Fornecendo uma perspetiva independente e imparcial, o Grupo de Gestão de Risco de Investimento procura integrar atempada e adequadamente informação de risco no processo de investimento ao longo de cada grupo de investimento, a fim de servir as necessidades de ambos os clientes internos e externos.

9. Política de liquidez

O volume de negociações diário de um título é um fator que é considerado na construção do portfolio, uma vez que nos mantemos vigilantes em relação ao risco de liquidez no mercado. As nossas equipas de gestão de carteiras e de trading trabalham juntas para assegurar que o nosso volume de negociações num título permanece abaixo de uma certa percentagem do volume geral diário do título, a fim de assegurar liquidez adequada, se necessário. Ações que não cumprem com os requisitos mínimos de liquidez ou de risco são evitadas.

Além disso, o Comité de Avaliação multifuncional da Franklin Templeton (VC) fornece perspetivas e administração das políticas e procedimentos aplicando uma determinação justa de valorização e liquidez de títulos detidos nas carteiras da Franklin Templeton. A estratégia pretende adquirir títulos líquidos, embora não haja garantias de que isto será alcançado.

Para tirar partido do maior conjunto de oportunidades possível, os gestores de carteiras e analistas procuram empresas growth em todo o espetro de capitalização do mercado completo. Não existem matrizes de capitalização de mercado mínima estabelecidas. No entanto, por razões práticas os analistas tipicamente focam as suas empresas de research com capitalizações de mercado maiores do que 300 milhões de dólares norte-americanos. Os gestores de carteiras também preferem não possuir mais de 10% de títulos de votação de uma dada empresa. O fundo deteve historicamente posições em grandes empresas e de grande volume que podem fornecer liquidez adequada se necessário.

10. Cobertura cambial

Não fazemos cobertura cambial.

11. Uso de derivados

A estratégia Franklin Templeton Technology não implementa atualmente estratégias com derivados.

Empresas

Notícias relacionadas