Fearless Girl faz três anos: o presidente da State Street faz o balanço na sua carta aos clientes


A 7 de março de 2017 os visitantes de Nova Iorque ficaram surpreendidos ao ver uma estátua de uma menina a desafiar a famosa estátua do touro de Wall Street denominada Fearless Girl (a menina sem medo). Tal obra, encomendada pela gestora de ativos State Street à escultora Kristen Visbal, procurava reivindicar o empoderamento feminino. Quase três anos mais tarde, Cyrus Taraporevala, Presidente e Diretor-Geral da gestora americana quis partilhar com os seus clientes numa carta as razões que levaram a realizar tal encargo e, sobretudo, as iniciativas que a gestora levou a cabo para continuar a impulsionar a igualdade entre homens e mulheres nas empresas onde investem.

 “Quando lançamos a nossa campanha Fearless Girl há três anos, instalámos uma estátua de 127 centímetros no coração de Wall Street para representar o poder e o potencial da liderança feminina. Fizemo-lo porque acreditamos que a diversidade nos conselhos de direção se tornou num motor de rendimento no investimento a longo prazo. Para nós, isto era uma questão não só de valores, mas de valor”, afirma Taraporevala na missiva.

Como exemplo desse compromisso, o presidente da State Street recorda que “como parte desta empresa, fizemos uma chamada de atenção às empresas nas nossas carteiras de investimento para que estabeleçam uma maior diversidade de género nos seus conselhos de administração, e anunciámos que utilizaríamos o nosso direito de voto para as responsabilizar. De facto, nos últimos 36 meses votámos contra os conselhos de administração de 1.384 empresas por não terem tomado as medidas necessárias”, afirma.

Não obstante, também deixa claro que neste tempo foram muitas as empresas que começaram a incluir mais mulheres nos seus conselhos diretivos, ao ponto de, segundo explica, “as 681 empresas de todo o mundo que antes tinham conselhos exclusivamente masculinos terem respondido à nossa chamada de atenção para incorporar a primeira mulher entre as suas fileiras. De facto, em 2019, pela primeira vez na história, todas as empresas do S&P 500 contam com uma mulher no seu conselho, ajudando a definir a estratégia, estabelecer prioridades, contratar pessoal diretivo e traçar o rumo futuro”.

Ainda assim reconhece que ainda há muito para fazer neste objetivo de conseguir uma diversificação real por género nos conselhos das empresas e, tal como há três anos decidiram visualizar a força feminina com a sua mítica estátua Fearless Girl, na celebração deste ano do Dia da Mulher optaram por colar um “muro vivo” atrás da estátua, agora localizada em frente à bolsa de Nova Iorque, “que simboliza a importância de continuar a aumentar o número de mulheres em cargos diretivos”. Incentiva, portanto, todos os seus clientes através desta carta a que visitem esse muro e coloquem uma mensagem pessoal de apoio aos esforços que fizeram na gestora para impulsionar essa diversidade.

Entre esses esforços destaca a iniciativa que anunciaram no início do ano de começar a utilizar os resultados do seu sistema de pontuação ESG denominado R-FactorTM para exercer pressão sobre empresas com uma série de métricas de sustentabilidade essenciais para obter rendimentos a longo prazo, que vão desde o clima até à privacidade de dados. “Esse é o poder do que ela começou (e para onde nos dirigimos)”, afirma Tarapolevala.

Notícias relacionadas

O Mais Lido