EUA China chegam a um primeiro acordo: reações das gestoras internacionais


Um processo doloroso para no final não se ver nenhum progresso. Os Estados Unidos e a China assinaram de forma oficial, um pacto comercial de “Fase 1”. O que se está a ver como o princípio do fim da guerra comercial não filtra por completo a incerteza no mercado. Em geral, o tom entre as gestoras internacionais é de ceticismo.

Para os investidores, as linhas deste pacto simplesmente não são suficientes. Especialistas como Philipp Vorndran, estratega da Flossbach von Storch, mostram-se muito críticos: “O conflito comercial entre os EUA e a China centra-se na hegemonia e na liderança tecnológica entre as duas potências mundiais. O acordo atual, que por certo dará resultados significativos, provavelmente vai permanecer além da categoria do espetáculo”.

O que inclui exatamente o acordo entre os Estados Unidos e a China? Segundo resume Sophie Altermatt, da equipa de Análise Económica da Julius Baer tocaram em vários pontos, mas nenhum de grande relevância. “O acordo é limitado e não aborda alguns dos problemas-chave entre os países, como os subsídios industriais da China e os problemas de roubo cibernético”, afirma a especialista. Cobre uma proteção mais restrita dos direitos de propriedade intelectual na China, compromissos da China de não manipular a sua moeda e aumentar as suas importações de bens americanos mediante compras no valor de 200.000 milhões de dólares nos próximos dois anos. Em particular, estabelece objetivos para exportações americanas adicionais à China superiores aos números de 2017 para bens manufaturados, agricultura, energia e serviços. São objetivos ambiciosos e preocupa que um possível fracasso conduza a uma nova escalada de tensão.

“O pacto não mostra nenhuma caminho credível para avançar. Pelo contrário, ambos os lados optaram por permanecer quietos”, sentencia Ian Samson, gestor da Fidelity International. Apesar de reconhecer que evita taxas dolorosas e assinala que não haverá escaladas grandes de tensão nos próximos meses, uma leitura em detalhe do acordo mostra uma ampla margem para que as negociações bilaterais se compliquem. De facto, é uma surpresa negativa que não se tenha marcado um calendário para eliminar as taxas já em marcha.

Pouco otimismo

Como recorda Aidan Yao, economista sénior de Macro Research Core Investments da AXA IM, ambos os lados ainda estão longe de chegar a um acordo compreensivo para se poder falar de uma restauração da normalidade. “Um acordo global torna-se ilusório atualmente”, concorda Esty Dwek, responsável da estratégia de mercados globais na Natixis IM Solutions. Além disso, a natureza dos temas de negociação opõe-se ao programa do Presidente Xi Jinping, aponta acertadamente Mathilde Lemoine, economista chefe da Edmond de Rothschild. “O que está em jogo não é só o aumento das importações americanas para a China, mas também a proteção da tecnologia e os direitos de autor, o fim da pirataria informática com fins de espionagem económica, o fim das subvenções concedidas às empresas estatais chinesas e o levantamento dos direitos aduaneiros adicionais”.

Além disso, a dor causada por estas tensões já é visível. Não só em matéria comercial. Aumentou-se o que Yao define como uma desagregação em setores à medida que cada país desenvolve o seu próprio ecossistema tecnológico. E a China continuará a tentar estabelecer novas relações comerciais com outras nações. “Especialmente porque o seu crescimento depende do petróleo, do gás, do carvão e outros produtos básicos”, recorda.

As gestoras coincidem em que este acordo é a primeira ronda no que será um processo longo e distendido. Como vaticina Dan Matthews, co-gestor do Merian Global Investors, o curto prazo oferece a Trump com uma vitória que pode passar à frente dos investidores antes dos comícios de novembro. E dependendo de como progridam as negociações ou fazer um acordo de fase dois, ou adiar o processo para depois das eleições.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente