Estas são as principais preocupações dos investidores institucionais neste momento


As principais preocupações dos investidores institucionais atualmente são três: a possibilidade de que o ciclo económico se reverta, a descida das taxas de juro à escala mundial e instabilidade geopolítica. Assim é demonstrado no inquérito global da BlackRock sobre as perspetivas de reajuste de carteiras que revela como, no momento de ponderar os efeitos das taxas mais baixas com os riscos de abrandamento do crescimento e do aumentos das tensões geopolíticas, os investidores institucionais consideram que os mercados privados são a classe de ativos mais apta para o contexto atual.

Além disso, independentemente de onde aloquem o seu capital, estes investidores prestam cada vez mais atenção aos critérios ambientais, sociais e de governance (ESG) como elemento fundamental nos seus processos de investimento. Os recentes acontecimentos aliviam a importância desta tendência a longo prazo à medida que os investidores enfrentam riscos macroeconómicos e de investimento que evoluem rapidamente.

Ao questioná-los sobre os desafios de alocar capital aos mercados privados, um quarto dos participantes (24%) referiu a ausência de avaliações interessantes, enquanto só 15% comentou que não enfrentará nenhum desafio no momento de investir nos mercados privados.

Segundo Mark McCombe, diretor de clientes na BlackRock, “compreender as carteiras dos clientes no seu conjunto e a interação entre a sua alocação de ativos atual e os seus objetivos a longo prazo propicia melhores resultados de investimento. O inquérito demonstra que os clientes estão a tentar reforçar a resiliência das suas carteiras aos aumentos das suas alocações a exposições menos correlacionadas. Esta abordagem pode contribuir para alcançar sólidas rentabilidades a longo prazo e pode constituir um elemento estabilizador face às turbulências dos mercados acionistas, como a impulsionada pela recente propagação do coronavírus”, afirma.

O investimento segundo critérios ESG é agora uma prática generalizada e parece que continuará a ser impulsionado. À escala mundial, 66% dos clientes declararam que já estão a incluir as considerações ESG no seu processo de investimento, enquanto dois quintos (38%) dos que ainda não o fazem estão a explorar formar de integrar estes fatores nas suas alocações.

Na região EMEA, quase todos (91%) os participantes já estão a implementar os critérios ESG, enquanto nos EUA e no Canadá menos de metade (46%) o faz. Entre os que não estão a ter em conta atualmente os fatores ESG nos seus processos de investimento, 32% mencionou o perigo para as rentabilidades e 20% a ausência de conhecimentos nos âmbitos como fatores de limitação.

“À medida que as instituições aumentam o seu grau de consciencialização sobre os crescentes riscos relacionados com a sustentabilidade, especialmente com as mudanças climáticas, e os seus efeitos nos resultados de investimentos, acreditamos que isso continuará a ser um catalisador das mudanças na alocação de ativos nos próximos”, conclui McCombe.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido