Esta semana vou estar atento ao spread de Itália…


A semana passada Paulo Joaquim estava de olho no Orçamento Italiano. Esta semana vou estar de olhos postos no spread a 10 anos da Dívida Italiana face à Alemanha. Matteo Salvini também. Mostrou a certeza absoluta de que não iria atingir os 400 bps na televisão Italiana. Porquê definir esta linha na areia? O Ministro das Finanças Tria veio logo de seguida colocar água na fervura, ao dizer que o governo tomaria medidas concretas caso houvesse uma catástrofe nos mercados. Que medidas seriam essas? Recordo-me quando, em outubro de 2010, o então ministro português Teixeira dos Santos afirmou que "Com taxas de juro que se aproximem dos 7% entramos num terreno onde essa alternativa começa a colocar-se [a entrada do FMI]"; em novembro atingiram. Em abril de 2011 pedimos ajuda ao FMI.

Em gestão de risco é fundamental definirem-se limites estabelecidos para agir; na política apontar para um número específico pode não ser a melhor estratégia. Afirmar que não se mexe um milímetro no défice de 2.4% para 2019 destrói qualquer possibilidade de uma negociação aberta com Bruxelas.

Salvini considera o “mundo das agências de rating virtual”. A Standard&Poor’s irá rever a notação de risco dia 26 e a Fitch pelo final do mês. Para já estão ambas a atribuir uma notação dois níveis acima de junk. A possibilidade de perder a notação de Investment Grade é assunto real.  

Em 2019 Itália tem mais de €280 mil milhões para se refinanciar em reembolsos de títulos sem contar com juros. Mais um défice de 2,40%... Sem dúvida que o spread é assunto que vou estar de olho esta semana.

Nota: a informação e análise é da exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a opinião do Banco CTT.

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido