ESMA vê um alto risco de que os retornos do mercado financeiro se dissociem da atividade económica subjacente


Um dos impactos da COVID-19 nos mercados financeiros é o maior risco de que os retornos dos mercados financeiros se dissociem da atividade económica subjacente. É a conclusão do último relatório de Tendências, Riscos e Vulnerabilidades de 2020 publicado pela Autoridade Europeia de Valores e Mercados (ESMA, siglas em inglês). Para a entidade, isto coloca em causa a sustentabilidade da atual subida do mercado.

A propagação da pandemia provocou correções massivas no primeiro trimestre, enquanto no segundo trimestre os mercados registaram uma subida notória, impulsionados pelas intervenções de política pública na UE e noutros lugares. “Não obstante, o contexto do mercado continua a não ser fácil e a ESMA mantém a sua avaliação de riscos”, insistem.

Vaticinam um período prolongado de risco para os investidores institucionais e de retalho de que aconteçam correções de mercado adicionais, possivelmente significativas e outros riscos muito elevados. Na sua opinião, a medida em que estes riscos se materializem dependerá de dois fatores: o impacto económico da pandemia e eventos externos adicionais num contexto global já frágil. O impacto sobre as empresas da UE e a sua classificação creditícia, e sobre as entidades de crédito, são motivo de especial preocupação, tal como o crescente endividamento público e empresarial e a sustentabilidade da recente subida do mercado.

A ESMA está preocupada com os caminhos divergentes da rentabilidade dos mercados e com as previsões económicas. Como bem recorda, os mercados de ações dispararam 40% na zona euro desde o mínimo alcançado em meados de março, quase de volta aos níveis anteriores da crise, enquanto o FMI espera que o PIB caia mais de 10% em 2020, seguido de uma leve recuperação de 6% em 2021.

Pode ler o relatório completo aqui.

Notícias relacionadas