ESAF e BPI Gestão de Activos partilham objectivos com os fundos do Luxemburgo


Susana Vicente, head of investment da ESAF, refere que a gestora "tem fundos disponíveis no Luxemburgo quase desde o início da sua actividade, em 1995, com o princípio base de procurar alinhar a constituição de fundos em Portugal, maioritariamente focados para uma rede doméstica, com o 'range' de produtos disponíveis no Luxemburgo", com o intuito de a oferta contar com fundos "que se adequassem a diferentes tipos de clientes".

Na BPI Gestão de Activos, a estratégia foi tomada há alguns anos, quando a gestora detectou "uma procura institucional, nacional e internacional, por alguns produtos de referência que tinha na sua oferta de fundos domésticos".

Precisamente a questão da adequação a diferentes tipos de clientes, referida por Susana Vicente, é justificada pela gestora do BPI, que afirma que "os fundos domésticos são pouco eficientes para investidores institucionais e estrangeiros, quer por razões fiscais (tributação em sede de IRS na fonte), quer pela impossibilidade de segmentar os Clientes por classes distintas (institucional e retalho), bem como pela maior dificuldade em oferecer os fundos em diferentes moedas de investimento".

Desta forma, os fundos do Luxemburgo "permitem mostrar as nossas capacidades de gestão com produtos adequados a clientes potencias estrangeiros assim como a clientes domésticos tipicamente institucionais. Pensamos ter capacidade instalada com resultados que nos permitem mostrar produtos bastante competitivos em diferentes ambientes de mercado", acrescenta a head of investment da ESAF. Em linha com esta afirmação, a BPI Gestão de Activos procura que a oferta no Luxemburgo tenha "uma proposta de valor única e adequada aos mercados e segmentos que pretende atingir. Em particular, procuramos oferecer estratégias de valor acrescentado, em que os 'skills' dos respectivos gestores, em conjunto com a infra-estrutura de 'research', 'trading' e gestão de risco da casa, produzam resultados diferenciadores". Susana Vicente salienta que, "a nossa história como portugueses, aproxima-nos de mercados onde podemos ter valor acrescentado, versus os nossos competidores estrangeiros, como são o caso dos mercados africano e brasileiro".

Ambas as gestoras destacam a capacidade de resposta demonstrada nos momentos de crise e resultados obtidos. "O contexto recente de crise em que vivemos, é um exemplo claro de que é possível obter resultados interessantes mesmo em ambientes complicados. O ano de 2012 mostra resultados nos nosso produtos, com retornos, ajustados ao risco, bem mais competitivos que outros fundos oferecidos por casas internacionais", diz Susana Vicente, da ESAF.


Uma oferta de fundos diversificada

As duasgestoras portugueses apresentam um leque de fundos registados no Luxemburgo que replicam a oferta doméstica.

Assim, a ESAF IM apresenta, de acordo com dados da Finesti, onze fundos de acçõesdiferenciados entre classe de distribuição retalho ou institucional (Active Allocation Fd Dynamic Alpha Ptf Ucits III Fd I C, ESAF - ETF ESAF NYSE Euronext Iberian ETF R Cap, Espirito Santo America Growth Fund I Dis, Espirito Santo America Growth Fund R Dis, Espirito Santo Brazilian Equities R Dis, Espirito Santo Emerging Markets R Dis, Espirito Santo European Equity I Dis, Espirito Santo European Equity R Dis, Espirito Santo Rockefeller Glob SICAV Energy Fd EUR Cap, Espirito Santo Rockefeller Glob SICAV Energy Fd USD Cap) cinco de obrigações(Espirito Santo Brazilian Bonds R Dis, Espirito Santo Euro Bond R Dis, Espirito Santo Global Bond R Dis, Espirito Santo Global Enhancement R Dis, Espirito Santo Short Bond EUR Dis) cinco fundos de fundos (Caravela Fd Global Aggressive Cap Funds, Caravela Fd Global Balanced Cap Funds, Caravela Fd Global Defensive Cap Funds, Caravela Fd Global Protected 75 I Cap Funds, Espirito Santo Trading Fund R Cap) cinco mistos (Active Allocation Fd Global Active Allocation I Cap, Espirito Santo Africa R Dis, Espirito Santo Brazil R Dis, European Responsible Fund Equity Fund Dis, European Responsible Fund Global Flexible Fund Cap) e dois sem categoria Finesti atribuída (Caravela Fd Global Compass IB Cap e o Active Allocation Fd Premium Lux R Cap).


A oferta da BPI Gestão de Activos é feito sob o BPI Global Investment Funds "com compartimentos que seguem estratégicas de investimento de elevado sucesso em Portugal", afirma a gestora. Neste sentido, a oferta contempla onze fundos de acções (BPI Global Invest Fd BPI Africa I Cap, BPI Global Invest Fd BPI Africa R EUR Cap, BPI Global Invest Fd BPI Africa R USD Cap, BPI Global Invest Fd BPI America CL Cap, BPI Global Invest Fd BPI America HI Cap, BPI Global Invest Fd BPI America IN Cap, BPI Global Invest Fd BPI Europa (Lux.) P Cap, BPI Global Invest Fd BPI Iberia I Cap, BPI Global Invest Fd BPI Iberia R Cap, BPI Global Invest Fd BPI Opportunities I Cap, BPI Global Invest Fd BPI Opportunities R Cap), dois de obrigações (BPI Global Invest Fd BPI High Income Bond Fd I Cap, BPI Global Invest Fd BPI High Income Bond Fd R Cap), dois mistos (BPI Global Invest Fd BPI GlobTacticAsset Alloc BPI GTAA I C, BPI Global Invest Fd BPI GlobTacticAssetAllocBPIGTAA R C) e dois fundos de fundos (BPI Global Invest Fd BPI Universal I Cap, BPI Global Invest Fd BPI Universal R Cap). 

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido