Tags: EUA |

“DRACARYS…”


Parece que anda por aí de novo um dragãozinho fumegante a varrer a planície com “fogo e fúria”… ainda se sente o ardor no ar e o cheiro intenso a terra queimada! Talvez seja por isso, que o dragāozinho fumegante nem se apercebe da existência do aquecimento global, uma vez que está convencido que a potência do seu DRACARYS, por si só explica as alterações climáticas.

Este dragãozinho tem o dom de colocar tudo em sobressalto, sempre que se escuta lá do alto o ruído do bracejar das suas longas asas, é sinal que a qualquer momento vêm aí mais um DRACARYS… a incerteza propaga-se, inflamam-se os mercados financeiros, as cotações derretem-se e os media encarregam-se de espalhar o pânico na aldeia global.

Existiu uma fase onde se subestimou o alcance e os efeitos da estratégia política e económica de Donald Trump, mas claramente chegámos a um ponto onde estamos constantemente a sobrevalorizar algo que já nem sequer se pode chamar de estratégia. O uso de táticas repetidas, desconexas e aleatórias, que se prolongam no tempo, acabaram por esvaziar qualquer conceito de estratégia, tornando-se num conto surreal que mais faz lembrar esta história do solitário dragāozinho fumegante. Ninguém está a querer dizer que o protecionismo é inócuo, ou que a guerra comercial não seja para levar a sério, mas a realidade é que esta é apenas preconizada por um único país, onde no final é este quem tem mais a perder, na medida em que são as suas empresas as que mais operam globalmente. O estranho é que nem os próprios tradicionais aliados dos EUA, que entendem como genuínas as reivindicações contra algumas más práticas comerciais da China e que facilmente emprestavam o seu suporte, são poupados a estas humilhações e ameaças constantes...

Tudo parece tão inconsequente, na medida em que, torna-se cada vez mais evidente que o sagrado dragão chinês está a criar um mercado de bilhões de consumidores, com o projeto One Belt One Road. Isto sim é uma estratégia consolidada, que ganha aderência e que inconcebivelmente conta com a ajuda dos soluços do dragāozinho fumegante. Pode ser apenas uma questão de tempo até serem introduzidos novos standards que podem facilmente afastar muitas empresas americanas desse mercado, num abrir e fechar de olhos…

Nesse sentido, é importante reter que estes são tempos para se ter especial cuidado com o manusear do fogo, porque as temperaturas estão altas e o aquecimento global também fez com que os riscos geopolíticos tornassem os riscos financeiros ainda mais assimétricos. No entanto, cabe aos investidores não perderem de vista aquilo que é fundamentalmente relevante. É importante saber distinguir as diferentes ameaças e as distintas oportunidades, identificando corretamente aquilo que pode interromper ou prolongar a durabilidade do atual ciclo económico global. A razão é simples, há dragões e dragões, uns são mais versáteis e detêm um DRACARYS muito mais potente que outros.

Quem no ano passado se enganou na medicação e sem querer fez um DRACARYS, foi o dragão Fed. Felizmente, o dragão Fed acertou a medicação e apressou-se a fechar a culatra, pedindo as mais variadas desculpas esfarrapadas pelo sucedido...

De facto, o mais importante é perceber que em 2019 nos confrontamos com uma realidade completamente distinta da que enfrentámos em 2018. Temos um dragão Fed preocupado com a desaceleração da inflação. No primeiro trimestre, o deflator core do consumo privado correu a uma taxa anualizada de 1,3%, numa economia em que o próprio consumo está a desacelerar. Este último apenas cresceu 1,2% no primeiro trimestre e não deu grandes sinais de vitalidade em abril com as vendas a retalho a caírem 0,2%. Acresce o facto, que a estes níveis de taxas de juro as famílias continuam num processo de desalavancagem, estando o rácio do stock da dívida das famílias sobre o PIB em 74,9% no final do ano passado, ou seja, ao nível mais baixo desde de 2001. Não é pois muito difícil antecipar, que independentemente do livro de histórias que o dragãozinho fumegante queira escrever, o próximo movimento do dragão FED é de descida de taxas de juro, com vista a assegurar a durabilidade do ciclo económico global.

Nestas condições, a moral da história é relativamente simples de se entender:

- Não confundir, nem a intensidade, nem o alcance e muito menos a versatilidade do DRACARYS de cada um dos dragões, não esquecendo que o dragãozinho fumegante sabe disso melhor do que ninguém, quando “súplica” ajuda ao dragão FED para apagar as suas queimadas…

Mas quando voltarem a ouvir falar de Dracarys não se esqueçam, que o presidente americano é só um homem, a FED uma instituição e os dragões não existem!

Notícias relacionadas

“Perdidos no Mar…”

Um ponto sem retorno? Jorge Silveira Botelho, CIO da BBVA AM Portugal, questiona o atual posicionamento e âmbito da política monetária na Europa, numa altura que se começam a criar algumas expetativas perversas nos agentes económicos.

Nem me digas mais nada...

Depois de mais uma semana marcada pela perspectiva de novos estímulos do BCE, Jorge Silveira Botelho, CIO da BBVA AM Portugal, dá ênfase aos riscos que estão subjacentes a esta política numa Europa envelhecida.

Um erro não forçado!

Jorge Silveira Botelho, CIO da BBVA AM Portugal, analisa a atual discussão sobre taxas de juro negativas no seio do BCE e de como estas cada vez mais se assemelham a um erro não forçado, com a acrescida gravidade do jogador não querer assumir a responsabilidade do mesmo.