Divisas emergentes: quais estão a aguentar o ritmo do dólar… e quais não estão


A curto prazo, as subidas de taxas de juro dos Estados Unidos e a robustez do dólar representam dificuldades para algumas economias emergentes. Não obstante, nem todos os países estão a ser afetados da mesma forma. Para alguns, a valorização do dólar afeta-lhes mais do que outros, que estão a aguentar o ritmo do dólar e a ver como as suas divisas estão a fortalecer, em contrapartida, com a divisa norte-americana.

Segundo explicam da J.P. Morgan AM, os países mais vulneráveis são aqueles com grandes dívidas estrangeiras (normalmente importadores de petróleo) e reservas de divisas relativamente limitadas. Estes países – sobretudo a Argentina e a Turquia – viram-se obrigados a subir as taxas de juro para proteger as suas divisas, o que provavelmente irá desencadear uma crise doméstica.

Contudo, existem outros países que reduziram o seu endividamento estrangeiro, de forma significativa, após o episódio do taper tantrum em 2013 e acumulou reservas domésticas. Neste sentido, o mercado faz distinções entre fortes e frágeis no que diz respeito aos mercados emergentes. Estão a demonstrar uma certa capacidade de diferenciação.

Assim, enquanto o peso argentino e a lira turca caíram mais de 15% este ano, o ringuite malaio e o baht tailandês subiram neste mesmo período, e muitas outras moedas asiáticas se mantiveram geralmente estáveis.

Captura_de_ecra__2018-07-02__a_s_10

Para Paul Greer, assistente na gestão de fundos de obrigações emergentes da Fidelity, as perspetivas a curto prazo para os mercados emergentes continuam a ser um desafio, uma vez que a redução dos balanços e a retirada de liquidez da Reserva Federal e do BCE irão continuar. “As moedas emergentes provavelmente continuarão sob pressão, pois o dólar continua a beneficiar de um spread de taxas de juro favorável e da reforma fiscal dos Estados Unidos. E os mercados emergentes também enfrentam os ventos contrários que representam a desaceleração do crescimento, o aumento da inflação e o protecionismo global”, conclui o especialista.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 3 Siguiente

O Mais Lido