Tags: Negócio |

Dezembro coroa um ano positivo em toda a linha para os fundos mobiliários nacionais


Fechado o ano de 2019, é altura de fazer o ponto de situação do mercado de fundos mobiliários nacional e o mês de dezembro foi uma cereja em cima de um bolo que tem vindo a crescer desde o final atribulado de 2018. Dados da CMVM mostram que mercado nacional dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM) totalizou 12.643,6 milhões de euros em ativos sob gestão no final de dezembro, mais 373,4 milhões (3,0%) do que em novembro. Nos organismos de investimento alternativo (OIA), o valor mensal sob gestão decresceu 4,6% para 354,2 milhões de euros.

Captura_de_ecr__2020-01-17___s_11

Este valor com que terminou o ano, representa um crescimento de 20,8% face ao final de 2018, no caso dos OICVM. Por outro lado, o volume em fundos de investimento alternativo continua uma tendência plurianual de decréscimo, tendo recuado mais de 50% em 2019 para um total de 354,2 milhões de euros. O ano fechou também com mais uma entidade gestora - a Sixty Degrees - e um crescimento do número total de fundos de investimento nacionais de dois fundos, em termos líquidos. 

Captura_de_ecr__2020-01-17___s_12

Em dezembro foram constituídos três fundos de investimento de poupança reforma, geridos pela Caixa Gestão de Ativos: Caixa Arrojado PPR/OICVM, Caixa Defensivo PPR/OICVM e Caixa Moderado PPR/OICVM. Ainda no último mês do ano foi alterada a designação do EuroBic Brasil – Fundo de Investimento Alternativo Mobiliário Aberto, gerido pela Dunas Capital, para EuroBic Brasil – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto, e o alterado também o tipo, de Fundo de Investimento Alternativo em Valores Mobiliários para Fundo de Investimento Mobiliário.

Captura_de_ecr__2020-01-17___s_11

O ranking das maiores entidades gestoras nacionais manteve-se praticamente inalterado no ano, à exceção da Popular Gestão de Ativos (parte do grupo Santander em Portugal), que foi ultrapassada pela Optimize IP e Bankinter GA. As variações mais notáveis na quota de mercado ocorreram na BPI GA, que perdeu 4,51% de quota de mercado, e na Santander AMIMGA e GNB GA que ganharam, respetivamente, 1,41%, 1,36% e 1,22% na sua quota de mercado ao longo de 2019. 

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido