Tags: Negócio |

Dentro das obrigações mais seguras, enfrente o contexto de taxas baixas com estratégias ativas


(TRIBUNA de Laura Donzella, diretora de Vendas na Península Ibérica e América Latina na Nordea Asset Management. Comentário patrocinado pela Nordea Asset Management.)

Não nos deixemos levar pelas yields negativos para assumir mais risco: o valor acrescentado do saber fazer e da gestão ativa pode encontrar-se no espaço das obrigações mais seguras.

Num contexto de rendimentos reduzidos, encontrar uma solução de obrigações atrativa e de baixo risco torna-se uma tarefa complicada para os investidores. A resposta poderá residir facilmente no mercado de covered bonds europeus. Com ativos no valor de 2,6 biliões de euros, as covered bonds são instrumentos de dívida de elevada qualidade, emitidos por instituições hipotecárias ou bancos suportados por um largo leque de ativos.

Oferecem aos investidores uma dupla cobertura. A primeira cobertura é a reclamação total sobre os ativos do emissor, ao qual se soma o facto de as covered bonds serem uma das classes de dívida mais sénior do balanço das instituições financeiras. A segunda cobertura é um acesso preferencial ao conjunto de ativos de cobertura.

Todas estas características situam as covered bonds num nível de segurança semelhante ao da dívida pública em termos de risco e num muito superior face ao do resto das obrigações. Apesar disso, as covered bonds continuam a ter a capacidade de oferecer rendimentos positivos mais elevados em muitos territórios em comparação com a dívida pública.

Dado que as covered bonds são investimentos extremamente seguros e muito regulados, muitos consideram que esta classe de ativos é “aborrecida” e costumam recorrer a estratégias de alocação passiva ou de “comprar e manter” (buy and hold, em inglês). Apesar do investimento em covered bonds parecer bastante fácil à primeira vista, este não é o caso. O mercado de covered bons apresenta várias ineficiências: desde os novos emissores que pagam um prémio para atrair investidores, até ao efeito que têm as metodologias de classificação que não refletem por completo o modelo de negócio de certos emissores. De facto, a diferença nos spreads pode responder a diversos catalisadores, como a diversidade normativa, os diferentes níveis de risco nos bancos emissores, a incapacidade – ou a resistência (desvio nacional) dos investidores para aceder a certos territórios, etc.

As ineficiências e complexidades do mercado oferecem uma ampla gama de oportunidades às equipas de investimentos que aplicam uma estratégia de alocação realmente ativa e dinâmica: flexibilidade para investir fora do universo denominado em euros (sem risco de divisas, dado que a carteira está coberta em euros), ampla experiência nos mercados locais e profundos conhecimentos sobre as classificações, para citar alguns exemplos.

A Nordea Asset Management conta com uma experiência considerável neste segmento e gere ativos no valor de mais de 40 000 milhões de euros1. A sua equipa de investimento especializado neste universo conta com uma média de 19 anos de experiência e uma contrastada trajetória no momento de gerar alfa.

As nossas carteiras geridas de forma ativa têm como objetivo aproveitar oportunidades de valor relativo através de uma abordagem baseada no risco que se centra na análise quantitativa. Procuramos investir em covered bonds que oferecem um nível interessante de valor relativo em comparação com outras alternativas de investimento com características de risco semelhantes. O rápido processo de tomada de decisões que se aplica, garante a capacidade da equipa para tirar partido das oportunidades tão cedo quanto surgem no mercado. Este processo conta com ferramentas de modelização e fixação de preços muito vanguardistas, desenvolvidas pela equipa para alcançar resultados de investimento constantes.

A nossa proposta de valor está estreitamente vinculada ao valor acrescentado da gestão ativa. As oportunidades de valor relativo estão presentes tanto no mercado com rendimentos negativos como num com rendimentos elevados. Identificamos oportunidades de valor relativo através de uma abordagem baseada no risco que se centra na análise quantitativa. Mediante uma abordagem extremamente dinâmica, procuramos investir em covered bonds que oferecem um nível interessante de valor relativo em comparação com outras alternativas de investimento com características de risco semelhantes. Dado que o nosso processo de investimento está centrado por completo no valor relativo, acreditamos que também vão existir oportunidades no futuro.

Encontrar um refúgio interessante e de baixo risco para os investidores no contexto atual de mercado torna-se complicado. A Nordea oferece tanto a classe de ativos como o saber fazer: uma equipa experiente, que segue um estilo de investimento ativo de elevada qualidade e que conta com uma sólida trajetória de rentabilidades atrativas.

Nordea Asset Management é o nome funcional do negócio de gestão de ativos conduzido pelas seguintes entidades legais: Nordea Investment Funds S.A. e Nordea Investment Management AB (“as Entidades Legais”) e as suas sucursais, subsidiárias e escritórios de representação. Este documento tem o objetivo de prover o leitor com informação sobre as capacidades específicas da Nordea. Este documento (ou qualquer visão ou opinião expressa no mesmo) não representa um conselho de investimento nem uma recomendação de qualquer produto financeiro, estrutura de investimento ou instrumento, para entrar ou sair de certa transação ou para participar em qualquer estratégia de trading. Tal só poderá ser feito através de um Offering Memorandum, ou através de um contrato similar. O presente documento não poderá ser reproduzido ou divulgado sem autorização prévia. © As Entidades Legais aderentes à Nordea Asset Management e todas as suas sucursais, subsidiárias e escritórios de representação.

[1] Fonte: Nordea Investment Management AB, a 30.06.2019

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

 Cumprir a palavra em matéria de ESG

Tribuna de opinião de Laura Donzella, responsável de Vendas para Península Ibérica e América Latina da Nordea Asset Management. Comentário patrocinado pela Nordea Asset Management, com cinco perguntas que devemos colocar-nos antes de eleger o nosso parceiro ESG.

O Mais Lido

Próximos eventos