Tags: Obrigações | Ações |

De-risking agressivo na gestão de patrimónios 


Se há um ano o peso do investimento direto em ações na gestão de patrimónios era já reduzido, representando cerca de 5% do total dos ativos sob gestão, desde então, e com referência ao final do semestre, as entidades gestoras de patrimónios nacionais têm vindo a reduzir ainda mais o risco acionista nas carteiras. Isto está patente nos dados divulgados pela CMVM, que mostram uma quebra de 32,2% no investimento em ações nacionais e de 26,2% nas ações internacionais. Isto representa uma quebra do investimento da gestão de patrimónios nas empresas nacionais - seja por efeito mercado ou desinvestimento - de 280 milhões de euros no período de um ano. 

As obrigações corporativas também não ficam imunes ao modo risk off das entidades gestoras. As obrigações nacionais recuaram 12,4%, enquanto que as obrigações de empresas estrangeiras (incluindo obrigações de empresas nacionais emitidas no estrangeiro) recuaram 5,3% nos últimos 12 meses, com referência a 30 de junho. 

No entanto, considerando que os ativos sob gestão verificaram um crescimento no período em análise, para onde foi este dinheiro? 

Por um lado, a dívida pública estrangeira foi uma das grandes rubricas vencedoras nos últimos 12 meses. A rubrica cresceu 26,1%, para os 11.236 milhões de euros, o que representa 2.323 milhões de euros adicionais. Há que realçar que o efeito de mercado terá sido significativo, considerando que em 2019 temos observado uma contração agressiva de yields na dívida pública europeia e norte-americana. 

Captura_de_ecra__2019-08-16__a_s_16

Por outro lado, os fundos de terceiros foram também um dos principais destinos do dinheiro gerido pela gestão de patrimónios nacional. As unidades de participação dos fundos nacionais cresceram 8,4% em 12 meses, enquanto que os fundos estrangeiros cresceram 3,4%. No total, falamos de 12,6 mil milhões de euros alocados a fundos de investimento. Já no que se refere à alocação específica desta rubrica por classe de ativos, a CMVM não providencia os detalhes, mas com dados da APFIPP, que representa mais de 90% do mercado, é possível retirar algumas conclusões

 

Notícias relacionadas