Crise financeira desacelerou planos de expansão internacional da BPI Gestão de Activos


A expansão da BPI Gestão de Activos em direcção ao Luxemburgo, de forma a completar a oferta com produtos 'standard' na Europa, mais eficientes fiscalmente e acessíveis a diferentes tipos de clientes, iniciou-se "com três compartimentos altamente diferenciadores: o BPI Opportunities, um fundo de acções globais semelhante ao BPI Reestruturações, consecutivo vencedor de prémios Morningstar em Portugal; o BPI High Income, que iniciou a sua actividade seguindo em parte a estratégia do BPI Obrigações Alto Rendimento Alto Risco, um dos melhores fundos portugueses de obrigações; e o BPI Universal, que alavanca o forte 'expertise' da BPI GA no 'asset allocation' assente na selecção de fundos terceiros, usando a estratégia 'Universal' com provas dadas em diversos fundos e seguros de capitalização à venda em Portugal", descreve Jorge Sousa Teixeira, administrador da gestora.

A estratégia replicada no Luxemburgo é aquela que já deu provas de sucesso no mercado doméstico. Na verdade, refere o administrador da BPI Gestão de Activos, "a crise financeira iniciada em 2007 desacelerou os nossos planos de expansão internacional, sobretudo pela redução do apetite por risco dos investidores em geral. A BPI Global Investment Fund posiciona-se sobretudo nos segmentos de maior risco dos mercados financeiros, tendo a sua oferta focada em 'high yield' e acções – que sofreram um forte revés, sobretudo em 2008".

Esta desaceleração não significou um recuo para esta gestora portuguesa. "Não deixámos de criar compartimentos que julgamos de elevado valor acrescentado e temos vindo a receber um 'feedback' crescente por parte de investidores internacionais, quer os que procuram estratégias com provas dadas no acesso a mercados como 'high yield' ou acções africanas, quer os que pretendem produtos de gestão activa e geradores de 'alpha'", acrescenta Jorge Sousa Teixeira.

Aliás, "os resultados dos nossos fundos no Luxemburgo mais antigos falam por si, conseguindo posicionar-se de forma muito competitiva vis-a-vis produtos similares, quer de boutiques, quer de grandes casas de investimento. Os fundos mais antigos (High Income, Opportunities e Universal) têm recebido uma boa apreciação por parte da Morningstar e da Citywire, e julgamos que em 2013 se revelarão grandes receptores da procura crescente de institucionais por capacidade de gestão em alguns segmentos específicos".
 
Desta forma, a oferta estendeu-se a três novos compartimentos, mais especificamente fundos de acções de diferentes geografias - África, Ibéria, América. O primeiro, explica o administrador da gestora, "aproveita o excelente trabalho no BPI África FIM ao longo dos seus quase quatro anos de actividade, posicionando-se como um dos poucos fundos de acções africanas no mercado internacional". O fundo BPI Iberia foi lançado ao mesmo tempo que o fundo, com a mesma designação, no mercado doméstico. Este fundo pretende "alavancar o sucesso da actividade da BPI GA na gestão de acções ibéricas, em particular empresas portuguesas, em que o BPI Portugal é o melhor fundo da sua gama em termos de rendibilidade e risco, nos mais diversos prazos". Por último, o BPI América, é um "compartimento que está  está actualmente a ser reequacionado em termos de custos e modo de funcionamento, pretendendo oferecer um veículo de investimento barato para clientes que pretendem obter acesso aos mercados accionistas norte-americanos".
 
Em conclusão, Jorge Sousa Teixeira considera que "alguns compartimentos têm vindo, progressivamente, a assumir-se como produtos diferenciados do seu fundo original, como é o caso do BPI High Income, que embora aproveitando as competências dos gestores do BPI OARAR, se assume como um fundo 100% 'high yield', enquanto que o BPI OARAR combina este segmento com 'investment grade'. Futuramente é possível que algumas estratégias de investimento com sucesso sigam exactamente o percurso inverso, começando como compartimentos na BPI GIF que dêem lugar a produtos de investimento destinado a investidores domésticos".

Empresas

Notícias relacionadas