Tags: Estilo |

Conheça o livro no “Rasto de um Par de Asas”


Da paixão pela poesia e pela fotografia  de dois amigos nasceu o livro “No rasto de um par de asas”. Jorge Silveira Botelho e Toy PS juntaram-se para registar a dimensão do rasto deixado pelos outros nas suas vidas. O livro foi apresentado ontem, no Palacete Gomes Freire, em Lisboa.

O  livro é um tributo à amizade, que a única coisa que se expande,  à medida que o tempo vai passando, as  nossas escolhas se encurtando e os nossos sonhos dissipando com a "velhice".  As memórias e as vivências com a família e com os amigos é aquilo que verdadeiramente vai enriquecer as nossas vidas até ao final dos nossos dias.

A obra está dividida em três capítulos e pode ser interpretada como uma viagem por entre um caminho sem fim, onde irremediavelmente a amizade perdura.

O primeiro capítulo, “Penas Caídas”, é uma homenagem aos que já partiram e sobre os quais assiste uma enorme gratidão. Aqui a morte não se cinge a um fim, ganha asas na alma dos autores. O segundo capítulo, “Asas Perdidas”, ilustra com palavras e imagens, os desencontros por onde erra a natureza humana. Aqui os autores, emprestam as suas asas àqueles que incessantemente procuram um sentido para as suas vidas, sem nunca realmente saberem quem no final vai ter forças para conseguir voar...

Por fim, o terceiro e derradeiro capítulo desta obra, “Num Bater de Asas”, é um tributo àqueles que deixaram de ter medo de ser amados. Aqueles que descobriram que esse é o maior rasto da presença dos outros nas suas vidas e persegui-lo destemidamente em céu aberto, é simplesmente querer voar mais alto.

Notícias relacionadas

“Independence Day…”

Jorge Silveira Botelho, CIO da BBVA AM Portugal, faz uma reflexão sobre a independência e a eficácia das políticas monetárias dos Bancos Centrais, numa altura em que estes se preparam para introduzir mais estímulos.

“Perdidos no Mar…”

Um ponto sem retorno? Jorge Silveira Botelho, CIO da BBVA AM Portugal, questiona o atual posicionamento e âmbito da política monetária na Europa, numa altura que se começam a criar algumas expetativas perversas nos agentes económicos.

Anterior 1 2 Siguiente