Tags: Obrigações | Ações |

Cinco indicadores que nos avisam de uma recessão


Não seria maravilhoso saber de antemão quando se aproxima uma recessão? Apesar do aviso de Paul Samuelson sobre os perigos das previsões, há alguns sinais nos quais de forma geral se pode confiar e que vale a pena seguir de perto à medida que a economia chega ao seu último ciclo. Muitos fatores podem contribuir para uma recessão e as causas principais muitas vezes mudam de ciclo. Portanto, é útil considerar muitos aspetos diferentes da economia para calibrar melhor onde se podem estar a acumular excessos e desequilíbrios. Qualquer indicador deve ser visto mais como um conta quilómetros do que como um sinal de distância do destino. Darell Spence e Jared Franz, economistas do Capital Group, revelam quais são os cinco indicadores que oferecem uma visão da economia e avançam um cenário de recessão.

1. A curva invertida

Uma curva de yield é um dos sinais de recessão mais precisos e mais extensos. A curva inverte-se quando as yields a curto prazo são superiores às yields a longo prazo. Este sinal de mercado previu todas as recessões dos Estados Unidos nos últimos 50 anos. As yields a curto prazo costumam subir durante os ciclos de ajuste da Reserva Federal. As yields a longo prazo costumam baixar quando há uma grande procura por obrigações. Uma curva de yield invertida é um sinal de queda, já que indica que muitos investidores estão a dirigir-se para um refúgio seguro, nas obrigações do Estado a longo prazo, em vez de comprar ativos de maior risco.

Em dezembro de 2018, a curva de yield entre as emissões do Tesouro dos Estados Unidos a dois e cinco anos se inverteu pela primeira vez desde 2007. Outras partes da curva, como os rendimentos a dois e dez anos, duas das emissões mais comuns não se inverteram até agora. Contudo, até numa curva de yield invertida nessa área não é motivo de pânico imediato, já que normalmente há sempre um atraso significativo (16 meses em média) até ao início de uma recessão. Existe o debate sobre se as intervenções dos bancos centrais no mercado de obrigações distorceram a curva de yield até ao ponto de agora poder ser um indicador económico menos fiável, mas isso ainda não está à vista.

Gra_f_Int_1

2. Lucros empresariais

À medida que as margens de lucro aumentam, as empresas podem incrementar o investimento, contratar mais trabalhadores e melhorar os salários. Isto beneficia tanto as empresas como os consumidores na economia e favorece períodos de expansão mais longos. Os lucros como a percentagem do PIB costumam alcançar o seu ponto máximo em direção à metade do ciclo da economia em geral e começam a desacelerar muito antes do início de uma recessão.

Os lucros empresariais continuam em níveis altos a partir de uma perspectiva histórica, mas há motivos para acreditar que já alcançaram o seu ponto máximo. É provável que as receitas sofram mais pressão pelo crescimento dos salários e a inflação, a diminuição dos ganhos por via da reforma fiscal e o aumento dos custos dos produtos devido à incerteza do comércio mundial. Se em 2012 foi produzido o pico dos lucros empresariais em relação à percentagem do PIB, nos EUA já se superou o prazo médio de 26 meses entre o pico e o início da próxima recessão.

Gra_f_Int_2

3. Desemprego

As empresas tendem a cortar postos de trabalho quando diminuem os lucros porque a mão de obra é muitas vezes o seu maior gasto. À medida que o desemprego aumenta, os consumidores costumam reduzir o gasto discricionário para poupar dinheiro até que melhorem as perspetivas de emprego. Este comportamento prejudica a rentabilidade dos negócios de carácter cíclico, o que pode obrigá-los a reduzir ainda mais a força de trabalho.

A taxa de desemprego nos Estados Unidos encontra-se atualmente próxima dos níveis mínimos históricos e diminuiu de forma constante ao longo da expansão. O crescimento dos salários estiveram muito abaixo da média em comparação com períodos de expansão anteriores, mas começou a surgir recentemente e pode afetar os lucros das empresas. O mercado laboral americano superou o nível que muitos economistas consideram “pleno emprego” e aí está há anos, pelo que pode haver pouca margem para que a taxa de desemprego continue a diminuir. O emprego é um motor tão poderoso do crescimento económico que até um aumento moderado do desemprego pode ser um sinal claro de ponto de inflexão no ciclo.

Gra_f_Int_3

4. Início da construção de habitações

As habitações representam uma porção significativa do PIB dos Estados Unidos e podem proporcionar uma visão importante da saúde da economia no seu conjunto. Um mercado imobiliário robusto pode ajudar a alimentar a economia ao fornecer impostos à propriedade que financiam o gasto governamental, criando empregos na construção e aumentando a riqueza dos proprietários de habitações. A construção de habitações é um indicador importante porque os projetos de construção podem durar vários meses, e os construtores mostram-se relutantes a iniciar novos projetos se temerem que a economia vai cair mais tarde.

Uma descida de 10% na construção de habitações precedeu a maioria das recessões, e uma queda de 25% não é pouco frequente perto do início de uma contração. A partir de novembro de 2018, as obras de construção de habitações mantiveram-se praticamente sem mudanças em relação ao ano anterior e desaceleraram lentamente nos últimos meses. As taxas hipotecárias mais altas proporcionaram um vento contra, mas isso pode mudar se a Reserva Federal abrandar o ritmo das subidas das taxas de juro em 2019.

Gra_f_Int_4

5. O Leading Economic Index

Dado que nenhum indicador económico deve estar solitário, muitos economistas e prognosticadores de mercado formam o seu próprio quadro agregado de indicadores favoritos para medir a saúde da economia. O índice Económico Líder (LEI) do Conference Board é um indicador económico americano que tem como objetivo fazer o prognóstico da atividade económica futura. O índice reflete 10 fatores que incluem salários, subsídios de desemprego, pedidos a fábricas, preços de ações, autorizações de construção habitações e expectativas dos consumidores.

Em setembro de 2018, o LEI tinha aumentado 7% em relação ao ano anterior, o seu crescimento mais rápido em oito anos. Desde então desaceleraram um pouco, subindo 4,3% em dezembro. o LEI foi notavelmente consistente em assinalar recessões, mas não proporciona muito tempo de espera uma vez que começa a declinar. Durante os últimos sete ciclos económicos, uma descida do LEI de pelo menos 1% em relação ao ano anterior previu o início de uma recessão numa média de quatro meses.

Gra_f_Int_5

Empresas

Notícias relacionadas