Tags: Emergentes |

China, outra porta a diversificar o investimento em ações emergentes


(TRIBUNA de Kristjan Mee, analista da Schroders. Comentário patrocinado pela Schroders.)

A China, como principal mercado emergente, continua com a sua tendência progressiva que está a fazer aumentar as oportunidades para obtenção de lucros ao investir em mercados emergentes.

A China é a segunda maior economia do mundo, representa 16% do PIB mundial. Não obstante, esta posição está muito longe do que refletem os índices bolsistas internacionais. A participação da China no MSCI ALL Country World Index (ACWI) é de 3,7%, o que equivale a menos do dobro do peso da Apple, o maior participante deste índice.

Desde 2008, o diferencial foi aumentando devido à parte do mercado bolsista incluída no MSCI ACWI não ter evoluído a par da expansão económica. De facto, o FMI prevê que a participação da China no PIB mundial aumente até 18% em 2023.

Participação da China na economia mundial vs. no MSCI ACWI

gra_fico_schroders

Fonte: Banco Mundial, Refinitiv Datastream. Schroders. Dados do PIB de 31 de dezembro de 2018. Dados do índice a 30 de agosto de 2019.

O diferencial cresceu de forma ainda mais significativa em comparação com os EUA, que representavam 24% do PIB mundial no fim de 2018 e é o país com maior peso no índice, com uma participação de 56% (a 30 de agosto de 2019). Segundo estes dados, poderá parecer que a China está subvalorizada no mercado mundial.

A chave desta discrepância originou do facto que, durante muito tempo, o acesso às ações A da China – ações negociadas na China continental e que constituem a maior parte do universo de ações do país – tenha sido muito complicado para os investidores estrangeiros, que sofriam limitações no fluxo de capitais. Mas, a partir de 2015, com a conexão dos mercados de Shangai e Hong Kong, criou-se um novo canal de investimento transfronteiriço que permitiu aos investidores estrangeiros aceder a ações tipo A sem restrições.

Posteriormente, em 2018, o MSCI anunciou a incorporação de ações A da China nos seus índices globais de forma gradual. Depois de todas as ações A serem incluídas, se é que isso vai mesmo acontecer, o peso da China no seu índice MSCI ACWI será cerca de 7%, igual ao Japão.

Qual é ‘status quo’ para os investidores?

À medida que cresce o peso das ações A nos índices globais, os investidores não poderão obviar a importância deste mercado. Neste momento, a maioria dos investidores institucionais que investem na China fazem-no através de índices de mercados emergentes, como o MSCI Emerging Markets, indicador no qual a China tem uma ponderação de 32%. Mas a crescente importância da China na economia global, em conjunto com os seus esforços para abrir o seu mercado financeiro a capital estrangeiro, fazem com que a decisão sobre o tamanho e a composição da alocação a ações chinesas seja demasiado importante para a deixar nas mãos dos provedores de índices.

Por isso, acreditamos que em vez de esperar que os provedores de índices aumentem a ponderação, os investidores profissionais deverão considerar uma alocação satélite a ações A, além de um mandato para os mercados emergentes mundiais. Quanto maior número de oportunidades, maiores serão as possibilidades de obter lucros do atrativo mercado de ações A.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido

Próximos eventos