“China era uma decisão que tínhamos de tomar no sentido do crescimento”


A maior gestora independente italiana Azimut Group, representada em Portugal pela Capital Strategies, opera desde 1989 tendo cerca de 17 mil milhões (dados de Agosto de 2012) de activos sob gestão. Respondendo à procura e interesses dos investidores, ampliou a sua rede de distribuição e os acordos de operação para diferentes países ao longo dos anos, em especial, para a China em 2011. Este processo foi desenvolvido pela AZ International Holdings com parceiros locais (CMT Holding) dando origem à constituição da An Zhong (AZ) IM, situada em Hong Kong. "O 'expertise' local e profissionais experientes permitiram um sólido posicionamento", refere Massimo Guiati, CIO da AZ Investment Management (IM) em Hong Kong. 

Massimo Guiati explica que, “na base deste investimento, estava a ideia de que a China é demasiado grande para se excluir de um 'portfolio'. É o primeiro país do mundo em reserva de moeda, o primeiro em população, o número dois em exportações e apresenta o terceiro maior PIB do mundo. Ou seja, a China era uma decisão que tínhamos de tomar no sentido do crescimento”.

No que refere ao investimento, Massimo Guiati fala do Renmimbi Opportunities Fund, “o primeiro UCITS IV que oferece aos investidores institucionais europeus possibilidade de exposição directa ao renmimbi (RMB) em Hong Kong”. Acrescenta, ainda, que “mais do que nunca a divisa chinesa representa uma alternativa atractiva, dado que as reservas mais comuns de moeda são o dólar e o euro e, as mesmas, estão, actualmente, afectadas pela crise dos países da Europa do Sul  e, nos EUA, pelo corte no 'outlook' por parte da S&P de estável para negativo”. No caso da divisa chinesa, verifica-se o contrário, os fundamentais melhoram e nos últimos dez anos verifica-se um crescimento do PIB entre os 3% e os 11%. Assim, Massimo Guiati diz que “a história da China relaciona-se com a valorização do RMB mais do que com a componente crédito. Com a desaceleração do crescimento da economia chinesa, o crédito saíra beneficiado. Todavia, ainda, falamos de uma divisa barata, com taxas de juro interessantes e baixa volatilidade”. 

Neste sentido, e, quando se compara, as oportunidades na divisa chinesa RMB versus o investimento em dívida ou divisas de outros mercados emergentes, o investidor depara-se com 'performances' aproximadas, mas volatilidades e máximos de queda totalmente diferentes. 

O Renmimbi Opportunities Fund foi lançado em Julho de 2011, tendo quatro classes disponíveis ('Euro hedged', 'Euro open', USD, HKD). Os activos sob gestão são de 545 milhões de euros e este fundo caracteriza-se como um produto que visa a diversificação global, aqui através da exposição ao RMB e a obrigações emitidas na mesma divisa (vulgarmente designadas por 'Dim Sum Bond'). Aposta na apreciação da moeda, numa 'yield' atractiva e com baixo risco. Desde 2005, na classe 'Euro open' o RMB teve um retorno positivo para um investidor (base em euros), superando o USD. Comparando RMB vs EUR, desde Maio de 2005 a Setembro de 202, temos uma valorização de 26,20% enquanto que USD vs EUR apresenta uma percentagem negativa de 4,17%. 

Em termos de performance, recuo máximo e volatilidade, o CIO apresenta o gráfico abaixo que coloca, precisamente, em destaque a menor volatilidade do investimento na divisa chinesa comparativamente ao investimento em dívida denominada em divisas locais de outros mercados emergentes. 

Notícias relacionadas

O Mais Lido