Chart of the Week - O impacto da subida das yields norte-americanas a dez anos acima dos 3%


(O Chart of the Week desta semana é da autoria de Pedro Assunção, founding partner da Reap - Family Office)

Captura_de_ecra__2018-05-28__a_s_16

Nas últimas semanas, com a subida das yields americanas para níveis acima dos 3% nos 10 anos, notaram-se as primeiras ondas de choque. As notícias centraram-se nos mercados emergentes, mas a realidade é que esta designação engloba um conjunto muito variado de realidades.

Pedro_Assuncao_ReapAqueles mais afectados podemos dizer que foram os “elos mais fracos”, ou seja a Argentina e a Turquia. Estes países viram as suas moedas desvalorizar violentamente, resultado da desconfiança dos investidores face a países que incorrem em défices duplos (fiscal e externo) persistentemente. Ambos já tomaram medidas para contrariar a tendência de desvalorização, mas se a pressão nas taxas do USD se mantiver, a única forma destes países conseguirem defender as suas moedas é lidar estruturalmente com o problema dos défices, algo que a Argentina parece ter maior convicção em fazer. Estes dois países poderão ser os elos mais fracos mas não são os únicos elos fracos.

Por isso, fruto das taxas de juro mais altas, estaremos a entrar numa fase de maior selectividade nos investimentos, quer entre mercados emergentes quer em todas as outras classes de activos com maior risco.

Profissionais

Notícias relacionadas

Chart of the Week em dose dupla

Esta semana contamos com uma análise a dois temas distintos mas muito atuais. Enquanto que Carlos Bastardo interpreta a evolução do PMI e sua importância no momento de decisão de investimento em ativos financeiros de risco, Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, olha para a evolução dos últimos 12 meses do spread da dívida italiana face à dívida alemã.

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido