Tags: Ações |

Chart of the Week: a subida das yields e o mercado acionista


(O Chart of the Week desta semana é da autoria de João Paulo Caldeira da Silva, do Departamento de Desenvolvimento e Marketing de Retalho do Novo Banco) 

Em 2018, os investidores têm estado particularmente atentos à evolução da taxa de juro implícita (“yield”) da obrigação do Tesouro dos Estados Unidos (“Treasury”) a 10 anos e ao respectivo efeito sobre os mercados accionistas. O gráfico, que escolhi como “Chart of the Week”, ilustra bem a estreita relação existente entre o “global manufacturing PMI” e a referida “yield”. Ao longo de 2017, ocorreu uma clara divergência entre a evolução de ambas as variáveis, o que, a exemplo do sucedido em 2016, onde a dita divergência foi ainda mais marcada, permitia antever um aumento da “yield” da “Treasury” a 10 anos provocado pelo grau de robustez da atividade económica a nível global. À luz desta correlação, o aumento de 50 pontos base, para perto dos 2,9%, verificado em 2018 na “yield” da “Treasury” a 10 anos não constitui uma surpresa, sendo, inclusivamente, inteiramente consistente com o actual ritmo de crescimento económico global. Adicionalmente, um aumento das “yields”, de níveis ainda historicamente reduzidos, provocado por uma aceleração do crescimento económico global não deverão constituir um obstáculo a um bom desempenho do mercado accionista, uma vez que o efeito negativo provocado pelo aumento da taxa de desconto dos lucros futuros deverá ser compensado pelas melhores perspetivas em termos de crescimento desses mesmos lucros.

“Yield” da “Treasury” a 10 anos é consistente com o forte crescimento global actual

Valor do PMI em pontos (eixo da esquerda); “Yield” em % (eixo da direita)

 

Captura_de_ecra__2018-02-27__a_s_10

Fontes: Markit, Thomson Reuters Datastream, J.P. Morgan Asset Management.

Valores a 23 de Fevereiro de 2018.

Profissionais

Notícias relacionadas

Chart of the Week - A volatilidade das criptomoedas

No Chart of the Week desta semana regressamos a um tema que esteve tão em voga durante o ano passado, mas que nestes primeiros meses de 2018 tem vindo a ter menos destaque. Rui Olo, responsável na direção de marketing pelos produtos e investimentos do ActivoBank, analisa a volatilidade das criptomoedas, em particular da Bitcoin.

Anterior 1 2 Siguiente