CFA Institute lança uma consulta para criar um Standard ESG para produtos de investimento


O que trava o crescimento do investimento socialmente responsável? De acordo com um estudo do CFA Institute, investidores de retalho e institucionais apenas dedicam entre 10-20% do seu portefólio a produtos ESG. Um número pequeno se considerarmos que 75% afirmam ter interesse em investir sob esses critérios. A falta de uma definição padrão do conceito de ESG ou ISR é um dos grandes obstáculos. Ou, como resume Chris Fidler, Diretor Sénior de Global Industry Standards do CFA Institute, "um comprador confuso não compra". Assim, o CFA Institute lançou uma consulta pública em 19 de agosto com o objetivo de criar uma classificação ESG padrão para produtos de investimento.

O “Standard para Divulgação Ambiental, Social e de Governança (ESG) em Produtos de Investimento” procura definir os requisitos de divulgação para produtos de investimento com características ESG, para que os investidores possam avaliar mais completamente se um produto de investimento atenderá às suas necessidades ou não. A entidade busca estabelecer critérios unificados para definição, classificação, requisitos e exame independente. O Documento de Consulta, um formulário de resposta para fornecer feedback (para standards@cfainstitute.org até 19 de outubro de 2020) e oportunidades de voluntariado (a inscrição pode ser enviada até 23 de setembro de 2020) estão disponíveis aqui. Um draft inicial será apresentado em maio de 2021 e estima-se que a versão final saia em novembro de 2021.

O que a consulta propõe

O objetivo deste standard é gerar maior transparência e comparabilidade para os investidores, tornando mais fácil para os gestores comunicarem claramente as características ESG dos seus produtos de investimento. Não pretende dar recomendações, ou desenvolver critérios corretos ou incorretos, mas sim definir e classificar.

No primeiro documento da consulta, as características associadas ao ESG são definidas como componentes ou capacidades que os produtos de investimento possuem e que podem ser combinados para satisfazer as diferentes necessidades dos investidores. Também propõe definições para seis características principais de ESG:

1. Integração ESG: considera explicitamente os fatores associados a ESG cuja materialidade, para fins de risco e retorno do investimento, em conjunto com fatores financeiros tradicionais, são levados em consideração na tomada de decisões de investimento.

2. Exclusões associadas a ESG: exclui títulos, emissores ou empresas do produto de investimento com base em certas atividades, práticas de negócios ou segmentos de negócios relacionados com ESG.

3. Best-in-class: visa investir em empresas e emissores com desempenho melhor do que os seus pares em uma ou mais métricas associadas a questões ESG.

4. Foco temático associado a ESG: visa investir em setores, indústrias ou empresas que se espera que beneficiem das tendências macro ou estruturais associadas a ESG no longo prazo.

5. Objetivo de Impacto: busca gerar um impacto social ou ambiental positivo e mensurável com retorno financeiro.

6. Votação por Procuração, Participação e Custódia: utiliza os direitos e a posição de propriedade para influenciar as atividades ou comportamentos dos emitentes ou empresas.

Essas qualidades podem ser combinadas com as necessidades ESG que identificaram, conforme pode ser visto na tabela abaixo:

Annotation_2020-08-19_111540

Outro eixo da proposta de consulta é a necessidade de estabelecer alguns requisitos. De entre algumas ideias, destaca-se o foco em informações relevantes e úteis, priorizar o conteúdo sobre o formato, solicitar um nível moderado de detalhe, mas também dar aos gestores flexibilidade para oferecer as informações necessárias da forma mais clara possível dependendo da natureza do produto.

O quarto e talvez o mais importante ponto é a proposta de um exame independente da conformidade com o standard. Propõem que uma gestora possa aplicar o standard produto por produto, e não à entidade como um todo. Mas quando for feito, deve atender a todos os requisitos do standard do CFA Institute. Uma das questões que estão a debater é se o examinador independente deve analisar com base no design do produto ou também com base na implementação.

 

Notícias relacionadas

Próximos eventos