Cédric Lecamp (Pictet AM): “A pandemia coloca em destaque a necessidade de investir no mercado da água”


O interesse pelos investimentos no setor da água é cada vez maior. O mercado está no auge devido ao aumento da procura estrutural apoiada pelas megatendências como o crescimento demográfico, os cuidados de saúde e a sustentabilidade. Tendências que já estavam em marcha e que a COVID-19 acelerou ainda mais. “Estimamos que o mercado da água valha cerca de 1.100 milhões de dólares. Além disso, as mudanças demográficas e a urbanização vão aumentar a procura por água nas cidades em 80% em 2050”, afirma Cédric Lecamp, gestor de Investimentos da Pictet Asset Management. A gestora suíça gere desde 2006 um fundo que investe em ações de empresas de distribuição e tratamento, tecnologias e serviços ambientais relacionados com a água, o Pictet-Water, um fundo com Selo FundsPeople 2020 pela sua classificação de Blockbuster.

A OCDE estima que em 2030 terá de gastar 1 bilião de dólares nos EUA por ano, em comparação com os 600.000 milhões atuais, para garantir o acesso universal à água e os serviços de saneamento básico em 2030. “Estes investimentos têm muito sentido do ponto de vista económico: a ONU estima que um dólar investido em infraestruturas de água e saneamento aumenta a produção a longo prazo (PIB) em 6,35 dólares e 2,62 dólares a outros setores”, explica Lecamp.

A pandemia deu um novo impulso ao setor: “O simples conselho de lavar as mãos para deter a pandemia coloca em destaque a necessidade de investir em saneamento básico e água limpa”, refere. “Muitas das nossas empresas de tecnologia da água proporcionam análise de qualidade de água, ferramentas analíticas para laboratórios, hospitais, centros de controlo de doenças e empresas farmacêuticas, e produtos e serviços que melhoram o transporte de água limpa. Além disso, é provável que as limitações dos orçamentos públicos devido ao aumento do gasto fiscal e às perturbações da atividade económica acelerem a necessidade de capital privado adicional para o desenvolvimento dos sistemas de abastecimento de água, um princípio-chave da megatendência da comercialização”, refere o gestor.

Comportamento do fundo durante a COVID-19

O ano de 2020 está a ser difícil para os gestores. Após a comoção de março, os preços das ações mundiais apoiadas pelo estímulo fiscal dos governos e as políticas acomodatícias dos bancos centrais experimentaram uma subida que as levou a recuperar grande parte do terreno perdido. Mas nos próximos meses, a incerteza sobre o novo aumento do contágio e a recuperação económica que luta por “levantar voo” prevalece entre os investidores. “A nossa abordagem de qualidade a longo prazo garantiu a resistência da carteira durante o período do choque COVID”, diz Lecamp. O fundo baseia-se na aplicação de um processo de investimento de baixo para cima que gera uma estratégia de Barbell, equilibrando o risco e o rendimento.

Por outro lado, um grupo central de empresas de fornecimento e serviços de água, com características mais defensivas e cash flows recorrentes e previsíveis, é equilibrado com investimentos em empresas de tecnologia da água com características de crescimento centenário. “Os ajustes realizados nos últimos dois anos foram uma grande ajuda para nós. Tínhamos aumentado significativamente o subsetor da vigilância. Estes nomes estiveram entre os melhores do nosso universo, sobretudo, pela sua relação com a identificação e luta contra as pandemias. Também aumentámos as alocações ao subsetor de Consumidores de Tecnologia da Água. Durante a época do coronavírus, como a população estava confinada nas suas casas, os gastos de renovação e acondicionamento, incluindo a canalização, aumentaram consideravelmente a nível mundial, mas sobretudo, na América do Norte”, explica o responsável da Pictet AM.

Por último, no âmbito do abastecimento da água, a alocação regional foi crucial: “os subsetores regulados nos Estados Unidos e no Reino Unido tiveram um rendimento significativamente melhor do que a União Europeia e os países emergentes”, refere Lecamp.

As empresas da carteira

A tecnologia da água representa cerca de 60% da estratégia. Entre essas empresas encontram-se a que é a primeira posição da carteira, Danaher, uma empresa de equipas de controlo de qualidade da água, e empresas como a Thermo Fisher e Agilent. “Do lado do consumidor, vemos um potencial constante nos especialistas norte-americanos em melhorias nas habitações Masco e Fortune Brands”, acrescenta o gestor. O fornecimento de água representa cerca de 30% das explorações, centrando-se no fornecimento de água, no tratamento de águas residuais e saneamento. Os 10% restantes são serviços ambientais. “Os direitos municipais e os resíduos perigosos devem ser tratados de maneira segura e rápida para evitar a propagação de vírus e perigos e proteger os aquíferos subterrâneos”, conclui Lecamp.

Produtos
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido

Próximos eventos