Tags: Negócio |

Carla Bergareche (Schroders): “Com esta crise ficou demonstrada a solidez da indústria da gestão de ativos”


Esta crise está a causar uma crise económica de repercussões colossais. Muitos setores passaram, da noite para o dia, de operar num mundo que estava a crescer a um ritmo moderado para um extremamente complexo, no qual provavelmente testemunharemos o maior colapso económico da história recente em termos de PIB. Isto apanhou muitas empresas e indústrias desprevenidas para lidar com esta situação. Não é o caso da gestão de ativos, um setor que, como explica Carla Bergareche diretora-geral da Schroders para Portugal e Espanha, está a demonstrar duas coisas. “A primeira é uma grande capacidade de adaptação. A segunda, a sua robustez. Com esta crise ficou demonstrada a solidez da indústria da gestão de ativos”, afirma numa entrevista com a FundsPeople.

Não importa para onde olhemos, o setor deixou a sua força muito clara. “Num piscar de olhos, mudámos completamente para um ambiente de trabalho digital. No nosso caso, 98% dos funcionários da empresa em todo o mundo estão a desempenhar as suas funções em casa. Foi uma mudança radical na qual conseguimos continuar a gerir e a prestar serviços aos nossos clientes com total normalidade, mantendo-nos sempre em comunicação, a proporcionar liquidez e a operar nos mercados sem problemas... Toda a estrutura tecnológica tem funcionado e acrescenta valor à consistência do setor da gestão de ativos, que conseguiu responder a uma crise extraordinária, na qual vivemos um confinamento e a mais rápida quebra do mercado de ações da história”.

Para Carla Bergareche, na Schroders, o mais importante, além de proteger a saúde dos seus funcionários, é poder manter sempre abertos os canais de comunicação com os clientes. Como explica, isto foi especialmente importante em março, no meio a uma queda livre nos mercados. “Houve muitos pedidos de investidores, que exigiram informações muito detalhadas sobre diferentes estratégias. Todos trabalharam para lhes responder em tempo útil, o que foi crucial. Agora, todo este pico de pedidos acalmou. Estamos num cenário de retorno à normalidade em que, enquanto gestores, temos de nos reajustar. Estamos a reinventar a maneira de fazer as coisas. A necessidade leva a isso”, reconhece a responsável da Schroders para o mercado ibérico.

Dado que a gestão de ativos é uma indústria baseada no capital humano, no qual a comunicação e o intercâmbio de ideias são base, para Carla Bergareche, o mais importante neste momento é determinar quais são os canais digitais mais apropriados para se conectar melhor com o cliente.

“É uma estratégia de tentativa e erro, de fazer coisas diferentes e analisar o que funciona e o que não funciona. E, quando não funciona, temos de ser ágeis a reconhecê-lo e tentar outra coisa. Nestas circunstâncias, há uma saturação de eventos telemáticos. É óbvio e lógico que os clientes são seletivos e também é óbvio e lógico que queremos ser um dos escolhidos, aumentando a qualidade dos formatos, as informações que fornecemos e perguntando o que precisam para colocar toda a nossa inteligência para poder continuar a adicionar valor. Se os clientes forem mais seletivos, escolherão aqueles que oferecerem a eles. Podemos voltar ao escritório na fase 3, mas... quando podemos ter uma reunião cara a cara novamente? Temos que analisar dia a dia e trabalhar com a hipótese de que o nosso trabalho nos próximos meses será digital.”

Tendências que saem reforçadas da crise

Segundo Bergareche, a crise do COVID-19 ajudará a reforçar algumas tendências que já existiam. Algumas serão claramente melhores. Outros, por outro lado, envolverão novas incertezas, como "o crescente risco de populismo, que será acentuado". Do lado positivo estará o fortalecimento dos sistemas de saúde. "O aumento dos gastos com a saúde, que já estava a acontecer devido à pressão demográfica, acelerará. Os governos dedicarão mais recursos económicos a essa área para tornar o sistema de saúde mais resistente. Assim como após a crise de 2008, os bancos reforçarão os seus orçamentos, os governos vão aumentar os seus gastos com a saúde para estarem preparados em caso de retorno da pandemia. Isto beneficiará o setor”.

O mesmo acontece com a tecnologia. "Esta crise é um acelerador da mudança em direção a um mundo mais online (teletrabalho, compras online...). O simples facto de termos testado isto com sucesso mudará bastante a nossa maneira de trabalhar e de nos relacionar no futuro e levar-nos-á a adotar certos avanços que, sem a passagem da pandemia, teríamos levado muito mais tempo para acolher. Por outro lado, as empresas vão olhar mais de perto as cadeias de fornecimento e aproximar a produção de casa para torná-la mais eficiente, o que impulsionará a automação. Parece muito claro que, neste novo ambiente, a tecnologia será reforçada”, assinala a diretora-geral da Schroders para Portugal e Espanha. Tal como revela, as carteiras dos fundos da Schroders foram reposicionadas para capturar esses vencedores.

Mudanças na alocação de ativos

No entanto, a mudança mais importante na alocação de ativos ocorreu há um mês, quando os spreads aumentaram e ficaram positivos para as obrigações corporativas. "Começámos a adicionar risco de crédito. Mesmo após o bom desempenho registado por essa classe de ativos em abril, continuamos a vê-lo como uma oportunidade. É uma boa maneira de adicionar riscos sem se expor a ações, onde, a curto prazo, há dúvidas sobre a sustentabilidade do rally. Estamos a registar muito interesse, com fluxos positivos nos nossos fundos de crédito." No mercado acionista, a casa britânica é mais otimista na Ásia, especialmente na China, onde também estão a ter entradas líquidas, assim como em estratégias temáticas (mudanças climáticas, disrupção, tecnologia...), onde o dinheiro vem principalmente do lado das bancas privadas e bancas pessoais.

Se, ao nível da indústria, esta crise demonstrou a solidez do setor, ao nível do produto, aqueles que passaram neste teste de stress com nota positiva foram os fundos ESG. “Está provado que as empresas com melhores classificações ESG sofreram menos. Os setores de qualidade tiveram um desempenho melhor do que os setores de valor, mais focados em setores que, como a energia, têm mais dificuldades no curto prazo. E, com vista para o futuro, tudo aponta para o facto de que o trabalho de reconstrução económica se concentrará mais no S do social e não tanto no E do ambiente, o que revela novas oportunidades de investimento que devem ser analisadas", ressalta Bergareche.

As taxas vão manter-se baixas

O futuro será diferente, muito diferente do que era esperado no início do ano. “O impacto na atividade vai durar e levará tempo até que voltemos aos níveis pré-crise. O crescimento económico será menor. Não será uma curva em V. Isso reforça a tese de que as taxas de juros permanecerão baixas por uma longa temporada, o que tem implicações muito importantes. Compreendê-los será o ponto-chave”. Entre elas, a diretora-geral da Schroders destaca uma maior disparidade quanto a retornos por regiões e países.

"Se o COVID-19 teve um grande impacto, o país está a demorar mais a levantar as restrições. Ao contrário da China, onde já estão a voltar ao normal. De facto, os nossos colegas em Hong Kong já regressaram ao escritório. O mesmo ao nível setorial. Haverá muita dispersão, dependendo do impacto sofrido, mesmo ao nível da empresa, onde será diferenciada de acordo com a sua alavancagem, saneamento, rendimentos... É um ambiente em que a gestão ativa deve brilhar mais. Estamos diante de uma oportunidade única para isso”, conclui.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido