Tags: Negócio | Ações |

Frente-a-frente: as perspetivas contrapostas de duas gestoras sobre o setor tecnológico


Nas últimas semanas, as empresas tecnológicas e as empresas relacionadas com a tecnologia lideraram as subidas e descidas do mercado. O nível de volatilidade continua a ser mais acentuado no setor tecnológico do que no mercado em geral. As empresas conhecidas como FAANG (Facebook, Amazon, Apple, Netflix e Google, dono da Alphabet) viram-se particularmente afetadas, como consequência do longo período em subida que estas empresas atravessaram. Estão a perder a sua força ou serão capazes de manter a sua posição? Confrontámos a opinião de duas gestoras de fundos, que pensam coisas diametralmente opostas.

Para Luca Paolini, estratega chefe da Pictet AM, a subida das ações tecnológicas terminou. “Juntamente com industriais e consumo discricionário tocaram durante o verão máximos desde 1999. Tal sobrevalorização corrigiu-se em parte, mas podem continuar a comportar-se pior num contexto de menor crescimento económico”, afirma o especialista. Da entidade incidem também no facto de que a Alphabet e o Facebook, apesar de apresentarem resultados melhores do que o previsto no terceiro trimestre, viram-se afetados por notícias negativas em relação à fuga de dados e receios de impostos digitais numa altura em que os investidores estão preocupados com o facto de os lucros terem tocado níveis máximos.

Chris Buchbinder, Mark Casey e Don O’Neal, gestores de ações da Capital Group, reconhecem que poderá acontecer uma dispersão de resultados entre as FANNG, dadas as diferenças de valorização e de posição no ciclo de rendimentos, embora “os fundamentais de muitos destes pesos pesados continuem a ser sólidos”. Embora seja possível que assistamos a um período de fragilidade e volatilidade, ainda mais depois de algumas empresas tecnológicas, como o Facebook e Amazon, terem expresso uma certa cautela nas suas últimas previsões de rendimentos, os lucros que as empresas do setor registam estão mais de acordo com o preço das suas ações do que estavam durante a crise no início de 2000.

Dão como exemplo o facto de os balanços de tesouraria da Apple, Microsoft e Alphabet estarem entre os mais elevados em relação às empresas norte-americanas não financeiras. “Além do dinheiro nos seus balanços, outros fatores que este tipo de empresas têm a seu favor é o facto de muitas empresas periféricas apresentarem um grande potencial de crescimento, como o YouTube e Android no caso da Google, ou o Instagram e WhatsApp no caso do Facebook; contam com um diretor geral forte, fundador ainda a cargo da empresa; mostram um crescimento orgânico dos rendimentos superior à média e têm a capacidade de atrair os melhores profissionais do setor”, enumeram.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Caixagest: “Em 2019 o foco deverá estar na velocidade de abrandamento das economias e na reversão das políticas monetárias acomodatícias dos principais bancos centrais”

Nas suas perspetivas para 2019, Rui Silva Martins,Responsável de Alocação Ativos da Caixagest, refere que as performances recentes dos ativos de risco traduzem o receio dos investidores quanto a uma possível forte deterioração do contexto económico, ou mesmo a possibilidade de uma recessão. No entanto, tais receios poderão demonstrar-se demasiado pessimistas.

Anterior 1 2 Siguiente