Tags: Negócio | Europa |

Capital Group prepara-se para o Brexit: a sucursal na Península Ibérica passa a depender da entidade no Luxemburgo


Restam apenas algumas semanas para a saída do Reino Unido da União Europeia e foram apenas esclarecidos alguns detalhes de como se irá gerir o Brexit. Longe de ficar à espera, as gestoras internacionais deram alguns passos em frente nos últimos meses com o objetivo de preparar os seus clientes para todos os cenários. A última a aderir foi a Capital Group. A gestora modificou os detalhes da sua sucursal na Península Ibérica, que irá passar agora a depender da entidade registada no Luxemburgo.

“Até agora desenvolvemos o nosso negócio e as nossas operações na Península Ibérica sob o passaporte da nossa licença no Reino Unido. Face ao Brexit, agora fá-lo-emos sob o passaporte da nossa licença no Luxemburgo, que já tínhamos há vários anos”, explicam à Funds People da gestora.

São mais os trâmites legais do que mudanças significativas no funcionamento do dia-a-dia das gestoras. Como aconteceu em casos anteriores, não aconteceu nenhuma mudança nos seus fundos, que estão baseados no Luxemburgo desde 1969, nem nas equipas.

Irlanda e Luxemburgo recebem as saídas do Reino Unido

Desde a vitória do Brexit, a indústria deu grandes passos para assegurar que os clientes das gestoras internacionais não ficassem à mercê de modificações inesperadas ou incertas na regulação. Os dois núcleos que foram mais beneficiados foram Dublin e Luxemburgo. No passado mês de dezembro, a Legg Mason anunciou que o seu novo escritório em Dublin passava a ser o hub de gestão e distribuição europeia das suas gamas de fundos irlandeses. A Schroders também modificava os dados da sua sucursal na Península Ibérica, que passava a depender da Schroder Investment Managemente (Europe) SA, entidade com domicílio no Luxemburgo.

No passado mês de maio, a Columbia Threadneedle Investments comunicava os seus planos para transferir os ativos dos seus clientes na UE da gama OEIC que a empresa tem no Reino Unido para os fundos equivalentes da sua gama domiciliados na sua sicav do Luxemburgo, com o objetivo de prestar o melhor serviço aos clientes europeus após a saída do Reino Unido da UE.

À sua semelhança, algumas semanas depois foi a vez da M&G Investments, que transferiu as classes de ações não denominadas em libras esterlinas de 21 dos seus fundos OEIC domiciliados no Reino Unido para fundos equivalentes na sua gama luxemburguesa.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente