Tags: Negócio |

CA Rendimento é o melhor fundo de obrigações de taxa indexada dos primeiros quatros meses de 2016


O ano de 2016 começou atribulado, mas nos meses mais recentes os mercados têm-se endireitado, e os fundos de obrigações de taxa indexada têm sido beneficiados. Os dados da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios – APFIPP – mostram que existem nove produtos classificados como “fundos de obrigações de taxa indexada”. De acordo com a Associação, estes fundos “investem, em permanência, pelo menos metade da carteira em Obrigações de Taxa Indexada. Todos os activos estão denominados em Euro”.

Dos nove produtos que a Associação cataloga nesta categoria, apenas um consegue superar 1% em termos de ganhos em 2016. Trata-se do CA Rendimento que é gerido por José Valente da Crédito Agrícola Gest. Desde do início do ano até final do mês passado o produto regista uma valorização de 1,19%. No final de março o fundo geria quase 150 milhões de euros com mais de 83% da carteira a estar aplicada em obrigações. O maior investimento em carteira ia para dívida soberana italiana, seguido de dívida corporativa da José de Mello e da Tagus. Destaque, ainda, para o facto deste produto ser um Consistente Funds People.

Perto de 1% de ganhos surge o Santander MultiCrédito que é gerido pela Santander Asset Management. No final de abril a sua carteira somava quase 79 milhões de euros, com as obrigações a representarem cerca de 80% do total do investimento.

Destaque, também, para o terceiro produto mais rentável em 2016 desta categoria. Trata-se do Postal Capitalização que é da responsabilidade da Caixagest. Criado em meados de 1989 é dos fundos de investimento mais antigos do mercado nacional e em 2016 regista uma rendibilidade de 0,89%. Gere mais de 1,5 milhões de euros as obrigações a ocuparem cerca de dois terços da carteira. O maior investimento é em obrigações da EDP, seguido da Unicredit e do Carrefour.

Os fundos de obrigações de taxa indexada em 2016

Taxa_Indexada_4Meses_2016

Fonte: APFIPP no final de abril de 2016

Profissionais
Empresas