BCE lança novo programa de compra de ativos no valor de 750.000 milhões de euros


Quase à meia-noite, o BCE, presidido por Christine Lagarde, anunciou um novo programa temporário de aquisição de ativos tanto públicos como privados com uma dotação de 750.000 milhões de euros e que receberá o nome de Programa de Aquisições de Emergência para Casos de Pandemia (Pandemic Emergency Purchase Programme; PEPP).

Segundo explicou o organismo num comunicado de imprensa essas compras serão levadas a cabo ao longo de 2020 (não acabará antes do fim do ano) de forma flexível “o que permite que haja flutuações na distribuição dos fluxos de compra ao longo do tempo, entre classes de ativos e entre jurisdições”, segundo explicam, e incluíram as categorias elegíveis no enquadramento atual da compra de ativos incluindo, excepcionalmente e pela primeira vez, as obrigações gregas. “O BCE nunca comprou obrigações gregas sob o seu QE pelo que há 50.000 milhões de euros que podiam ter sido comprados e que o BCE poderá agora adquirir em teoria”, afirmava nas redes sociais Frederik Ducrozet, economista sénior da Pictet Asset Management.

Quanto aos ativos corporativos, será ampliada a gama de ativos admissíveis no enquadramento do programa de compras do sector empresarial (PEPP) ao papel comercial de empresas não financeiras, fazendo com que todas as emissões de empresas de qualidade creditícia suficientes sejam admissíveis para a sua compra no enquadramento do PEPP.

Além disso, este organismo compromete-se em expandir o leque de Additional Credit Claims (ACCs) para incluir créditos relacionados ao financiamento do sector comercial. "Isso garantirá que as contrapartes possam continuar a utilizar plenamente as operações de refinanciamento do Eurosistema", afirma.

"O Conselho do BCE fará todo o necessário dentro de seu mandato. O Conselho do BCE está totalmente preparado para aumentar o tamanho de seus programas de aquisição de ativos e ajustar sua composição, conforme necessário e pelo tempo que for necessário. Explorará todas as opções e todas as contingências para apoiar a economia por meio dessa comoção ”, afirma o comunicado de imprensa  num retorno claro após a conferência de imprensa que Lagarde deu na última reunião do BCE na qual disse que o seu trabalho não era fechar os spreads de dívida, o que foi muito mal interpretado pelos mercados muito acostumados a ter a proteção dos bancos centrais.

A lógica deste programa é simples. Os Estados gastarão enormes quantias de dinheiro para compensar os efeitos negativos que a epidemia terá nas atividades. Ao mesmo tempo, as taxas de juro devem permanecer baixas para evitar um choque financeiro para os orçamentos do estado e das empresas ”, diz Philip Waetcher, economista-chefe da Ostrum (Natixis IM).




 

 

Empresas

Notícias relacionadas

Investir agora ou esperar?

Essa é a grande pergunta que se estão a fazer os investidores nestes dias, sobretudo aqueles que até agora permaneciam fora do mercado ou a subponderar as ações nas suas carteiras. Opiniões e rácios para que banqueiros e assessores financeiros disponham de informação para aconselhar bem os seus clientes sobre esta difícil questão.

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido