Tags: Gestores | ETF | Europa | EUA |

As maiores gestoras do mundo também são as rainhas da gestão indexada


A indústria da gestão de ativos viveu em 2017 um ano espetacular. O património a nível global das 500 maiores gestoras aumentou para os 93,8 biliões de dólares; isto é, cerca de mais de 15,6% do que o ano anterior, segundo os últimos dados da Willis Towers Watson. É o maior ritmo de crescimento desde 2009.

Mas essa melhoria não foi equitativa. As gestoras de maior tamanho são precisamente aquelas que dividem uma grande parte do bolo. As 20 maiores gestoras reúnem 43% dos ativos totais das 500 maiores gestoras. É o nível mais alto de concentração desde que a empresa iniciou o seu estudo do mercado em 2000.

E as líderes do ranking têm uma característica em comum: também são os reis da gestão indexada.

Não é uma tendência recente, uma vez que a BlackRock continua a ser a maior gestora do mundo desde 2009. E a Vanguard e a State Street completam o top três pelo quarto ano consecutivo. Mas o quarto lugar é ocupado pela Fidelity Investments, a “primeira” americana da Fidelity International. A empresa fomentou a guerra em queda na gestão passiva com o lançamento dos seus fundos indexados com comissão zero, este ano.

Captura_de_ecra__2018-11-06__a_s_09

Como destaca o estudo da Willis Towers Watson, a percentagem de ativos passivos cresceu de 19,5% para os 22,4% nos últimos cinco anos. E apenas em 2017 aumentaram cerca de 25%.

Entre as dez maiores apenas três empresas são europeias. A Allianz Group, da Alemanha, e a AXA e Amundi de França.

Empresas

Notícias relacionadas

BlackRock redefine a sua equipa de vendas na Ibéria

Em vez de segmentar as suas equipas de vendas por tipologia de produto, como tinha feito até agora, a entidade faz a divisão em função do tipo de cliente. André Themudo é o novo responsável do segmento de distribuição e Javier García do canal institucional. Manuel Gutiérrez-Mellado adquire um novo papel regional.

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido