Amundi Funds II – European Equity Value: Alicerce no valor intrínseco


A entidade gestora Amundi disponibilizou a seguinte informação sobre o fundo Amundi Funds Absolute Volatility Euro Equities, classificado com o selo Blockbuster pela Funds People, gerido por Roberto Campani:

Amundi Funds II – European Equity Value

Breve descrição do fundo1

O sub-fundo investe principalmente numa vasta gama de ações de empresas que estão domiciliadas ou que fazem a maior parte dos seus negócios na Europa. O sub-fundo pode usar derivados para reduzir vários riscos ou para uma gestão de carteiras eficiente. A filosofia de investimento passa por focar em evitar perdas permanentementes de capital, procurando crescimento a longo-prazo ao:

Procurar empresas viáveis a negociarem com um desconto significativo

Enfoque na “Margem de Segurança”

Abordagem sem restrições e com ponderações iguais

Horizonte de investimento a longo-prazo e baixa rotatividade

 

Principais diferenças face a produtos semelhantes no mercado

Enfoque em modelos de negócios viáveis (de qualidade). Muitas vezes, os investidores focam-se apenas nos múltiplos e compram, frequentemente, modelos de negócios menos robustos, na esperança de uma mudança. Como primeiro pilar do nosso processo de investimento, investimos com o objetivo de “evitar perdas permanentementes de capital”. Acreditamos que o valor de um negócio é derivado de três fontes: 1 – ativos, 2 – poder de rendimento destes ativos e 3 – oportunidades futuras de crescimento. É frequente os investidores de value ignorarem o aspeto de crescimento, nós não, no entanto simplesmente nunca pagamos por isso. Esta abordagem mais completa ao investimento value, (Ex. olhar para além de múltiplos tradicionais) é uma característica diferenciadora.

O nosso portfolio é igualmente ponderado. Como o MSCI Europe Value Index é ponderado por preço, não se enquadra bem na nossa abordagem ao investimento (ignorar os múltiplos baseados no preço, por exemplo). Para nós, o preço representa barulho e é inconstante, o valor intrínseco mantém-se estático e isto é o alicerce da nossa filosofia. Como resultado da ponderação equivalente, a nossa carteira é muito mais diversificada e equilibrada tanto em termos de alocação setorial como também em termos de capitalização de mercado.​

Abordagem de investimento:

A nossa abordagem é baseada no valor intrínseco das empresas, não em valorização múltipla ou preço. Baseada firmemente em seleção de ações bottom-up.

Restrições de investimento:

O Amundi Funds II – European Equity Value é uma carteira igualmente ponderada sem limites.

Benchmark e tracking error

2

 

Número de títulos e rotatividade

Uma carteira concentrada igualmente ponderada (cerca de 45 ações) com dois tipos de empresas:

1. Valor Básico: empresas com um desconto significativo (mínimo de 30%), negócios tradicionais de “value” que concorrem no preço. Embora gostemos dos modelos de negócios subjacentes, aplicamos uma margem de segurança maior para nomes de Basic Value, uma vez que o poder de rendimentos deles é reduzido, dado o contexto de fixação de preços competitivo que enfrentam (ex. os seus produtos fornecem pouco poder de fixação de preços). Por exemplo, pense na Philips Lighting (a empresa que manufatura lâmpadas). Gostamos da empresa, mas em última instância é muito difícil para a empresa extrair margens maiores, uma vez que as lâmpadas são um produto homogéneo. Se as lâmpadas da Philips são mais caras do que um concorrente, os consumidores irão simplesmente trocar de fornecedor.

2. Rendimentos consistentes: são os negócios de maior qualidade que constituem a maior parte da carteira. Estes comandam uma margem de segurança menor (mínimo de 20%) que refletem o seu poder de rendimentos maior. Um exemplo disso é a fabricante BMW. Dada a marca muito forte da empresa na área de luxo, a empresa pode exigir um prémio de preço versus concorrência. Na nossa perspetiva, isto pode isolar lucratividade através do ciclo e, por isso, podemos permitir-nos ser menos exigentes em termos do preço que estamos dispostos a pagar.

Temos um horizonte de investimento a longo-prazo e baixa rotatividade de carteira (média 3 anos - 18%)

Política de risco

3

4

O que é que significa este indicador?

O indicador de risco acima avalia possíveis riscos e recompensas e é baseado em volatilidade de médio-prazo (quão bruscamente o preço da unidade estimado ou real do sub-fundo subiu e desceu durante cinco anos). Dados históricos, tais como aqueles usados em calcular este indicador sintético, podem não ser uma indicação de confiança do perfil de risco futuro do sub-fundo. A categoria mais baixa não significa um investimento “livre de risco”. O indicador de risco do sub-fundo não é garantido e pode mudar durante o tempo. A categoria de risco do sub-fundo reflete o facto de como classe de ativo, as ações tendem a ser mais voláteis do que títulos de mercado monetário ou obrigações. Para classes de divisas não cobertas, as taxas de movimentos cambiais podem afetar o indicador de risco, onde a moeda nos investimentos subjacentes difere da moeda da classe de unidade.

Riscos essenciais adicionais:

O indicador de risco reflete as condições de mercado de anos recentes e pode não capturar adequadamente os seguintes riscos essenciais adicionais do sub-fundo:

Risco operacional: Pode ocorrer perdas devido a erro humano ou omissão, erros de processo, disrupções de sistema ou acontecimentos externos.

Risco de derivados: Os derivados criam alavancagem no sub-fundo e pode causar movimentos no valor dos investimentos subjacentes para amplificar ganhos ou perdas para o sub-fundo.

 

Política de liquidez

Dado o facto de que a nossa abordagem predominante está na área large-cap do mercado, não temos nenhumas preocupações de liquidez dentro da carteira. Baseado na nossa análise interna, prevemos que possam liquidar >90% da carteira em 4 dias sob condições de mercado normais (baseado em suposições conservadoras).

 

Cobertura cambial

Normalmente não fazemos cobertura cambial dada a natureza internacional dos modelos de negócios que temos. No entanto, mantemos a flexibilidade para cobrir se considerarmos prudente.

 

Uso de derivados

Normalmente não usamos derivados. No entanto, mantemos a flexibilidade de usar derivados para fins de cobertura cambial como acima descrito.

Empresas

Notícias relacionadas