Tags: Negócio |

Ações EUA dominam a cinco anos, mas há espaço para mais


Cinco anos de história nas rentabilidades do mercado nacional de fundos abarcam um tema dominante: o feroz domínio do mercado de ações norte-americano a impulsionar os retornos dos fundos nacionais. Assim o demonstram os dados da Morningstar Direct de final de junho.

Captura_de_ecra__2019-07-08__a_s_14

Fonte: Morninsgstar, final de junho. ​

Quatro dos dez fundos mais rentáveis nos últimos cinco anos orientam o seu investimento para o espetro norte-americano, e o fundo mais rentável do mercado nacional pertence a esse conjunto. Trata-se do Caixagest Acções EUA. O fundo alcança no período 13,25% de retorno anualizado, e é o único fundo de ações américa deste top com um estilo de investimento growth. Os sectores mais representados em carteira, segundo a página da Morningstar, são o industrial e os serviços financeiros. A Boeing é a companhia com um maior peso em carteira – 8,82% - seguida da UnitedHealth Group.

A Caixagest não dá nas vistas apenas com este fundo a cinco anos: a maior gestora de fundos mobiliários nacional coloca no ranking mais três produtos, e um deles aparece logo no segundo posto. O Caixagest Infraestruturas – o fundo com um caráter mais alternativo do grupo – entrega no período 12,02% de rentabilidade. O investimento mais destacado em carteira, mostra a página da Morningstar, é a posição no fundo Caixagest Liquidez. Numa recente entrevista à Funds People, Guilherme Onofre Piedade referia que os níveis historicamente baixos de taxas de juro têm aumentado o interesse dos investidores por esta estratégia.

Os quatro produtos que se seguem fazem alusão à maior economia do mundo, mas há também espaço para um produto de caráter mais global. Por ordem de retorno, encontramos portanto o BPI América D, o Santander Acções América, o Caixagest Ações Líderes Globais e o IMGA Acções América, com 11,29%, 10,95%, 10,86% e 9,86% de retorno, respetivamente.

Como visível na tabela em cima, no conjunto de fundos mais rentáveis no período há ainda espaço para o investimento em Brasil e no Japão. 

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Próximos eventos