A visão de Ariel Bezalel sobre o mercado de obrigações: levar a cautela ao extremo


Após a dramática liquidação de ativos de risco no fim de 2018, os mercados ficaram nervosos ao entrar em 2019. A redução do apoio dos bancos centrais mundiais demonstrou a deterioração dos dados macroeconómicos, o envelhecimento do ciclo comercial, a explosão da dívida corporativa e a escalada do risco geopolítico em todo o mundo. Como resultado, os mercados vão começar a reavaliar o risco de forma mais prudente. A Reserva Federal e o BCE intervieram no início de 2019 para assegurar aos investidores que o apoio continuará a existir e que não se estava a preparar um maior endurecimento.

Com este cenário de fundo, 2019 foi um ano notável para os rendimentos das obrigações. No período compreendido entre janeiro e agosto de 2019 aconteceram algumas das maiores variações relativas das taxas de juro da história, e os rendimentos das obrigações do Estado da maioria dos mercados desenvolvidos caíram mais de 50% (o que significa que os preços aumentaram). O sentimento alcançou o seu ponto mais baixo durante o verão, quando o rendimento a 10 anos das obrigações do Tesouro dos Estados Unidos (um indicador-chave da confiança) caiu para um mínimo intradiário de 1,44% em agosto. Nessa altura, mais de 30 bancos centrais tinham reduzidos as taxas de juro.

Neste contexto, Ariel Bezalel, chefe de Estratégia de obrigações da Jupiter e gestor do Jupiter Dynamic Bond, fundo com Selo Funds People em 2020 com as classificações de Favorito dos Analistas e Blockbuster, considera necessário atuar com cautela. O gráfico que apresenta mostra como a taxa máxima dos fundos da Fed foi diminuindo a cada ciclo durante quase 40 anos. O aumento mais recente da taxa para 2,4% representa o pico do ciclo atual, o mais baixo da história posterior à Segunda Guerra Mundial.

fig

“Já em 2020 a economia norte-americana parece nadar nua, utilizando a analogia de Warren Buffet, sem que haja uma política fiscal no horizonte nem notícias otimistas sobre o comércio com a China que influenciem o sentimento comprador. A curto prazo é provável que os ativos de risco continuem a aumentar à medida que a Fed continue a intervir nos mercados monetários. Não obstante, assim que retirar o seu apoio, os ativos de risco ficarão vulneráveis, especialmente se os dados económicos não melhorarem. Em última instância, espero que as poderosas forças deflacionárias do excesso de dívida, o envelhecimento da população e a disrupção tecnológica se reafirmem, de novo, em forma de menores rendimentos. Por isso, a minha expectativa é que vai ser difícil ver algum crescimento nos EUA durante o segundo e o terceiro trimestre do ano, o que deverá criar mais pressão para que a Fed reduza as taxas novamente”, explica.

Ultimamente, escreveu-se muito sobre o quanto as fortes emissões do Tesouro poderão pesar nos mercados de obrigações. Não obstante, Bezalel recorda que a história demonstrou que a direção dos rendimentos do Tesouro está determinada pelas perspetivas das taxas de juro e as expectativas de inflação. “Os rendimentos do Tesouro dos EUA caíram sempre bruscamente no decorrer dos ciclos de redução de taxas. Dado que as perspetivas de crescimento mundial continuam a ser muito difíceis, mantenho-me otimista quanto à elevada qualidade, e cauteloso quando aos créditos de maior risco. Nesta etapa tardia do ciclo, manter este perfil tão líquido continua a ser a minha prioridade para que a nossa estratégia de obrigações globais sem restrições possa continuar a ser suficientemente ágil para mudar à medida que mudem os factos”.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido