A dívida das empresas dispara para níveis record… antes até da crise do COVID-19


Até antes de a pandemia começar a danificar os balanços das empresas, a dívida empresarial disparou até novos máximos. Assim o reflete o Corporate Debt Index da Janus Henderson (JHCDI), um novo índice criado pela Janus Henderson Investors para medir a evolução do endividamento corporativo. A nível mundial, o endividamento líquido disparou para um número recorde de 8,3 biliões de dólares em 2019, o que representa um aumento interanual de 8,1%.

As empresas esgotaram a sua liquidez em aquisições financiadas por dívida, grandes recompras de ações, dividendos recorde, o enorme efeito das tensões comerciais e a desaceleração da economia global sobre os ganhos. No geral, a dívida líquida aumentou 625.000 milhões de dólares no ano passado, o maior aumento de longe nos últimos cinco anos. Nos últimos anos, o crescimento da dívida foi impulsionado por taxas de juro muito baixas, que tornaram o pagamento da dívida mais barato, resultado das tentativas dos bancos centrais de estimular economias.

As empresas incluídas no Corporate Debt Index da Janus Henderson (os 900 maiores valores financeiros do mundo) devem atualmente quase duas quintas partes (37%) mais do que em 2014 e o crescimento da dívida superou consideravelmente o dos lucros. Os lucros antes de impostos para o mesmo grupo de empresas aumentaram 9,1% no total, para 2,3 biliões de dólares. A alavancagem, que mede a dívida em relação ao financiamento dos acionistas, aumentou para um recorde de 59% em 2019, enquanto a proporção dos lucros dedicados ao pagamento de juros também subiu para um novo recorde.

Todas estas tendências aceleraram em 2020, quando a pandemia eclodiu. A análise dos mercados de obrigações da Janus Henderson mostra que metade da dívida das empresas no seu índice está em obrigações listadas. Entre janeiro e maio, foram emitidos 384 biliões de dólares adicionais, 6,6% a mais do que no final de dezembro. O endividamento dos bancos também aumentou consideravelmente, embora ainda não existam números exatos. Segundo as estimativas da Janus Henderson, o endividamento líquido aumentará um total de um bilião de dólares este ano, o que representa um aumento de 12%.

Mais da metade das empresas do índice aumentaram a sua dívida em 2019, mas grande parte do impacto foi devido a um número relativamente pequeno delas. 25 empresas assumiram outros 410.000 milhões de dólares em dívidas no ano passado, o equivalente a um terço do aumento da dívida para todas as empresas.

Tal como explica Martina Álvarez, diretora de vendas para a Península Ibérica da Janus Henderson, "O mercado de dívida corporativa sofreu um impacto sem precedentes em 2020 devido à crise económica causada pelo COVID-19. No entanto, a intervenção sincronizada dos bancos centrais deu apoio incondicional a estes ativos. Vimos um estreitamento dos spreads de crédito e um cenário de taxas de juro muito baixo".

Este ano, as empresas foram forçadas a aumentar as suas emissões de dívida para obter a liquidez necessária, que lhes permitirá suportar períodos desafiantes devido ao fecho das economias, a consequente queda no consumo e o sentimento volátil dos investidores. Neste sentido, nos últimos anos, as empresas ibéricas conseguiram reduzir os seus níveis de endividamento líquido e, portanto, enfrentam este período a partir de uma posição mais sólida.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido