A chegada da vacina volta a dar esperanças de grande rotação value


Os presságios sobre o retorno do value desta década e o pico do domínio do growth constituem o seu próprio ciclo. Repetidamente, as esperanças de uma grande mudança cíclica foram impulsionadas, mas acabaram por perder o gás sem que as ações growth abrissem mão da sua soberania. Até agora? A última grande notícia para dar início a este impulso foi o anúncio de bons resultados na vacina COVID-19 da Pfizer e BioNTech. Estamos finalmente diante do retorno real do value? É desta? As gestoras, pelo menos, veem argumentos a favor.

A reação do mercado esta segunda-feira foi imediata: risk-on. Principalmente nos setores e mercados que foram atingidos pelo efeito da COVID, como, por exemplo, transportes, bancos, viagens e lazer, consumo de bens discricionários e cíclicos, deteta Thomas Meier, gestor da MainFirst AM. Os mercados de ações dispararam com as notícias. Mas a grande diferença agora é que o único motivador não é a tecnologia, mas os setores mais afetados, como energia ou finanças, como nos mostra Mona Mahajan, estrategista de investimentos em ações americanas da Allianz GI:

E à medida que surjam mais novidades sobre as vacinas, vão passar a fomentar uma reavaliação das posições baseadas na reabertura à escala global, prevê Didier Saint-Georges, membro do comité de investimentos estratégicos da Carmignac, que, na sua opinião, não deve ser confundido com uma recuperação cíclica impulsionada pela aplicação de medidas massivas de estímulo orçamental.

É o início de uma grande rotação? “É bem possível”, reconhece Johanna Kyrklund, chefe global de investimentos em multiativos da Schroders. "Na verdade, há uma hipótese de finalmente termos encontrado o catalisador para provocar uma mudança das ações stay-at-home que beneficiaram do bloqueio, para as ações de recuperação." Assim, já não seria necessário pagar um grande prémio pelas poucas áreas de crescimento, se todos os tipos de empresas voltarem a crescer à medida que a economia recupera.

Vários gestores coincidem. Tanto a vitória dos democratas nos Estados Unidos quanto o progresso da vacina são notícias otimistas para ativos de risco. Mas o mais importante: que isto poderá resultar na diversificação dos ganhos do mercado. “Ao longo de 2020, o desempenho superior foi amplamente concentrado em empresas de alto crescimento que oferecem soluções digitais para um mundo socialmente distante. Se uma vacina ajudasse a restaurar a normalidade da economia global, esperaríamos que esse aperto aumentasse”, afirma Andy Acker, gestor da Janus Henderson.

É possível que nos 12 meses que durará 2021 passemos por todos os pontos de um ciclo completo. As empresas estão a sustentar os seus balanços com liquidez, graças a resultados muito melhores do que o esperado durante o segundo e terceiro trimestres. E essa melhoria nos lucros coincide com uma revisão mais positiva das expectativas para os lucros das empresas a um ano. Para Mondher Bettaieb-Loriot, diretor de Crédito Corporativo, e Claudia Fontanive-Wyss, gestora da Vontobel AM, esta é a prova de que estamos a fazer uma transição no ciclo mais rápida do que o previsto, e que é provável que a etapa de recuperação seja alcançada a partir do início do próximo ano. Na Janus Henderson também veem isto da seguinte forma: “O ciclo de mercado típico (do fundo de um mercado em baixa ao topo de um mercado em alta) dura cerca de cinco anos. A pandemia de COVID-19 encerrou abruptamente o último mercado bullish em março. As notícias desta semana podem marcar um passo importante no caminho para um novo."

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Próximos eventos