Tags: Obrigações | Ações | EUA |

A aposta da J.P. Morgan AM pela bolsa norte-americana e de que forma investir


Há quatro razões principais para que a J.P. Morgan AM observe oportunidades de investimento em acções EUA: o país está a ser recompensado por meio de melhores perspectivas de crescimento, dados económicos fracos estão perto do fim, que o sector corporativo está saudável e as valorização são é atractivas. Para tirar proveito desta situação, propõem três fundos de investimento de sua gama de rendimento variável EUA. No total, têm sob gestão 130 mil milhões de dólares nesta classe de activos.

Em relação ao mercado de acções, no ano, o S&P 500 subiu 16,4% , mais do que outros índices, como o MSCI Asia ex Japan (12,4%), o MSCI Emerging Markets (9,4%) ou MSCI Europe ex Reino Unido (8,5%). Um bom ano para o activo que, de acordo com Christian Preussner, responsável pela gestão de clientes, continuará no futuro.

Na entidade, estão positivos com a recuperação económica do país. Estimam que, para os próximos doze meses, o PIB dos EUA suba cerca de 2,1% , contra os 0,6% esperado para o Reino Unido ou os 0% para a Zona do Euro. Esta recuperação vai ser sustentada especialmente pela retoma do consumo, que representa 71% do PIB.

Consideram que tanto o consumo individual como o das empresas está no caminho da recuperação e esperam que as empresas o aumentem consideravelmente nos próximos meses, pois dispõem de liquidez e, na opinião de Preussner, é expectável que existam sinais nesse sentido. Quanto ao risco de temido "precipício fiscal" o gestor diz que se chegará a um acordo entre democratas e republicanos que incluirá cortes nos gastos militares e do sistema público de saúde. Também observam sinais de recuperação em sectores mais cíclicos em conjunto com uma melhoria no sector da habitação, o país pode assistir a um aumento do emprego em pouco tempo. Um risco que aponta em relação ao sector privado norte-americano é uma eventual desvalorização do euro abaixo dos 1,20 dólares, o que a J.P. Morgan AM descarta já que acreditam que o euro permanecerá nos níveis actuais de 1,28 dólares.

Três estratégias

Com essa percepção positiva para o activo na J.P. Morgan AM propõe três fundos diferentes para entrar. O Fundo de Investimento JPMorgan EUA Equity Fund Select que é um fundo que procura as melhores ideias de investimento dentro de cada sector, ou seja, é neutro no que diz respeito aos sectores de índice. e dentro de cada um, é seleccionada a empresa que melhor acreditam que se irá comportar. Para isso, os três gestores do fundo apoiam-se no trabalho da equipa de analistas, cerca de 30 profissionais com 15 anos de experiência em média. O fundo tem cerca de 165 posições em carteira. Este é um fundo com mais de 25 anos de história, que este ano teve um retorno de 13,94%. Em três anos, o resultado é 9,99%.

Enquanto isso, o JPMorgan Funds Value Fund EUA é um fundo que procura empresas de alta qualidade com balanços fortes e administrações com elevada qualidade, nas quais apostam num investimento de longo prazo. É gerido por Jonathan Simon desde o seu lançamento, há 12 anos. Por sector, os maiores pesos actualmente concentram-se no sector energético, financeiro e de consumo discricional.

Por último, o JPMorgan Funds Equity Fund America é um fundo que situa entre os dois anteriores. É um produto concentrado (com 30 posições), que investe em grandes empresas, tanto em valor como em crescimento. A um ano, o fundo sobe 13,2%.

Empresas

O Mais Lido

Próximos eventos