2019 fechou com o valor líquido global das unidades de participação em circulação a subir


Um incremento de 1.8 mil milhões de euros. É o que reporta o Banco de Portugal na sua última nota de informação estatística relativa aos fundos de investimento nacionais. No final de 2019, dizem, o “valor líquido global das unidades de participação em circulação dos fundos de investimento foi de 27,1 mil milhões de euros, mais 1,8 mil milhões do que no final de 2018”.

Este foi um crescimento que se verificou principalmente no investimento em ações e outras participações, e em unidades de participação em 1,5 mil milhões de euros, bem como em títulos de dívida em 0,9 mil milhões de euros, maioritariamente emitidos por não residentes. Segundo o regulador, este investimento foi parcialmente compensado pela redução em imóveis em 0,3 mil milhões de euros.

Captura_de_ecra__2020-02-13__a_s_12

Captura_de_ecra__2020-02-13__a_s_12

 

Os investidores particulares, sem surpresa, mantiveram-se como o principal investidor em fundos de investimento, ficando a seu cargo 48% do total das unidades de participação em circulação no final de 2019, o que correspondeu a um aumento de 2,1 mil milhões de euros face ao mesmo período de 2018. Em termos totais, os investidores particulares detinham 13 mil milhões de euros de unidades de participação em circulação. Como visível na tabela acima, e também na figura abaixo, as instituições financeiras monetárias reduziram ligeiramente o valor investido em unidades de participação, bem como as sociedades de seguros e fundos de pensões.

Captura_de_ecra__2020-02-13__a_s_12

O Mais Lido