Volatilidade disparou naquele que é por excelência um mês de férias


O segundo mês do segundo semestre trouxe novamente o PSI-20 para terreno negativo, depois de em julho ter crescido 2,9%. Nos últimos quatro meses o principal índice bolsista nacional registou quedas em três períodos: 4,2% em maio, 4,9% em junho e 8% no mês passado. Desta forma, o índice fechou agosto nos 5.261 pontos. Ainda assim, em 2015 o PSI-20 regista um crescimento de 9,6%.

O mês que é por excelência um período de férias para muitos e de pouca liquidez nos mercados financeiros foi também o mais volátil do ano (até à data). A volatilidade superou os 33%, segundo os últimos dados publicados pela CMVM.

ETFs em ritmo ascendente em 2015

Noutra perspectiva, observa-se que as transações de ETFs têm, em 2015, mostrado uma evolução positiva. Os dados do regulador mostram que o valor acumulado das transações destes instrumentos financeiros atingiu quase 100 milhões de euros, o que corresponde a mais de 172% do que nos primeiros oito meses do ano passado.

em termos de Unidades de Participação a tendência é inversa, com a queda a situar-se em 65%, face aos primeiros oito meses do ano de 2014.

Gestão de Ativos: segmentos com caminhos distintos

Com dados referentes a julho, a CMVM mostra que houve uma queda 1,5% nos OICVM e nos FIA para um valor líquido global de 11.430 milhões de euros. No mês de julho houve um aumento do número de fundos, passando de 191 para 193 produtos dada a criação de três produtos multi-ativos por parte da BPI Gestão de Activos: o BPI Moderado, o BPI Dinâmico e o BPI Agressivo (leia aqui a entrevista com o gestor destes fundos).

Houve, também, a liquidação de um fundo, no caso o Caixagest Mix Emergentes gerido pela Caixagest.

No segmento imobiliário verificou-se a subida dos ativos sob gestão para os 11.845 milhões de euros, apesar de uma diminuição no número de fundos que passaram de 248 para 247.

Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos