Volatilidade de “outono” não afasta os investidores do risco


Atípico. Assim se pode caraterizar o mês de outubro no que diz respeito aos mercados financeiros. As duas primeiras semanas do décimo mês do ano arrastaram os principais índices bolsistas para mínimos históricos, tendo a volatilidade registado os níveis mais altos comparativamente com 2011. Que repercussão teve a volatilidade ao nível dos fundos estrangeiros mais subscritos nas plataformas nacionais?

No Banco Best, os investidores não “temeram” o sucedido, e acabaram por continuar a preferir o caminho do risco. Rui Castro Pacheco, head of asset management da entidade adianta que “este mês, um pouco ao contrário do que seria de esperar devido à volatilidade e quebras na sua primeira metade, continuámos a registar predominância na preferência pelo investimento em fundos com maior risco”. Refere que, eventualmente, “alguns investidores aproveitaram as correções para reforçar os seus investimentos”.

Num cenário semelhante, o Banco BiG também dá conta de um “acentuado movimento de correcção na primeira metade do período que afectou várias classes de activos”, diz Isabel Soares, gestora de produto. A profissional explica que “face aos mínimos registados, muitos investidores vislumbraram uma oportunidade interessante em termos de ponto de entrada” e, provavelmente por essa razão, não se assistiu a “uma migração massiva para investimentos substancialmente mais defensivos”.

Top continua a ser dominado pelas ações

Do top de fundos estrangeiros mais subscritos do Banco BiG “5 continuam a ser produtos com enfoque no segmento accionista”. Neste bloco de produtos, Isabel Soares refere que “foi notória, no entanto, uma deslocalização de parte da exposição a Ásia para estratégias centradas nas economias europeias.” A gestora de produto destaca ainda que a temática "mercados emergentes" continua também “a despertar o interesse dos investidores com o fundo Pictet Emerging Markets High Dividend (com uma estratégia focada em empresas "pagadoras de dividendos") a registar inflows significativos”. Como novidade no top dos fundos mais subscritos, a plataforma destaca o aparecimento do fundo Nordea 1 Stable Return “que apesar de recentemente incluído na oferta, ascende ao topo da lista de produtos mais subscritos”. Recorde-se que “o fundo misto de estratégia versátil fez parte das recomendações Fund Advisor com o objectivo de conferir alguma flexibilidade às carteiras”.

A lista de mais subscritos no Banco Best contempla “apenas o fundo Euro Bond Short gerido pela Deutsche AWM”, ao nível dos fundos considerados conservadores. Rui Castro Pacheco acrescenta que “no top existem mais dois fundos de obrigações. Se o, já conhecido, Jupiter Dynamic Bond pode ser considerado ainda de risco controlado, o Pioneer Emerging Markets Bond já acarreta um nível de risco intermédio ao estar exposto à dívida de mercados emergentes”. Ao nível do risco intermédio “já com alguma exposição a ações, aparece o Stable Return gerido pela Nordea e que se tem mantido nas preferências dos nossos clientes nestes últimos meses”.

O restante Top de fundos mais subscritos da entidade é composto por 6 fundos de ações. “A maior novidade é o fundo que investe no setor da saúde, o World Healthscience, gerido pela BlackRock, sendo que os restantes têm aparecido com alguma frequência”. Referem-se aos “fundos que investem em ações Europeias geridos pela Alken e pela Schroder (com dividendos trimestrais), o fundo de ações americanas gerido pela ClearBridge (pertencente ao grupo Legg Mason) e dos fundos setoriais/regionais de Biotecnologia (Biotechnology Discovery) e Médio Oriente e Norte de África (MENA) geridos pela Franklin Templeton”.

No ActivoBank, por seu lado, João Graça, realça que o destaque de outubro ao nível dos fundos mais subscritos nas plataformas vai para “a entrada no top de um  fundo de ações japonesas com alguns investidores a esperarem novidades na política monetária que acabaram por se vir a concretizar”.

 

TOP TEN DOS FUNDOS MAIS SUBSCRITOS EM OUTUBRO

 

 

Best

ActivoBank

BiG

1

Nordea-1 Stable Return Fund E EUR

 

UBS (Lux) SF Balanced (EUR) N Acc

Nordea 1 Stable Return Fund

 

2

Pioneer Funds - Emerging Markets Bond C EUR ND

 

Parvest Bond Euro Government N

Invesco Pan European Structured Equity

 

3

The Jupiter Global Fund - Jupiter Dynamic Bond Class L EUR Q Inc

 

Pictet Japanese Equity Selection Hr EUR

BNY Mellon Euroland Bond P

 

4

Alken Fund European Opportunities-A

 

UBS (Lux) EF Mid Caps Europe (EUR) P Acc

Pioneer Funds Strategic Income

 

5

Legg Mason ClearBridge US Aggressive Growth Fund Class A EUR Acc

 

MSS European Property b

Pictet Emerging Mkts High Dividend Hdg

 

6

BlackRock Global Funds - World Healthscience E2 EUR

 

JPM US Select Equity D

Templeton Global Bond Fund EUR Hdg

 

7

Franklin Biotechnology Discovery N Acc $

 

BNY Mellon Global Real Return A

Fidelity Funds - Iberia Fund

 

8

Franklin MENA Fund N Acc €-H1

 

UBS (Lux) BS Brazil (USD) P Acc

Pioneer Funds European Potential

 

9

Schroder International Selection Fund European Dividend Maximiser B Dis

 

 

UBS (Lux) SF Balanced (USD) P Acc

Invesco Pan European High Income

 

10

Deutsche Invest I Euro Bonds (Short) NC

 

SISF UK Equity B

JPMorgan Europe Equity Plus

 

 

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Anterior 1
Anterior 1

O Mais Lido

Próximos eventos